Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Poluio amea atrapalhar a corrida

20 de Setembro, 2014

Na prova nocturna do calendrio da Frmula 1 os adeptos vo testemunhar o despique entre os principais pilotos por conta das dificuldades do tempo resultante da fumaa que sufoca a bela cidade capital de Singapura

Fotografia: Reuters

Um nevoeiro “insalubre” e com fumaça cobriu Singapura esta semana. A manutenção do tempo é uma ameaça ao espectáculo desportivo mais “glamouroso” da cidade, o Grande Prémio de Fórmula 1, que acontece amanhã, no circuito urbano.

A Agência Nacional Ambiental de Singapura (NEA, na sigla em inglês) informou que a poluição do ar alcançou índices perigosos, na última quinta-feira. Uma mudança de ventos trouxe a fumaça dos incêndios florestais da ilha de Sumatra, situada na Indonésia.

O Índice de Padrão de Poluição, emitido a cada três horas, passou de 100, nível no qual o ar é considerado insalubre, às 8h00 (horário de Angola) de quinta-feira e continuou a aumentar quando as duas medições horárias seguintes foram divulgadas.

A NEA alertou no seu site que as “pessoas saudáveis” deviam “reduzir as actividades físicas extenuantes ou prolongadas em ambientes externos” quando o nível de nevoeiro chega a 100, o que também aconteceu na última segunda-feira. A equipa da Williams declarou que o calor, a humidade e a duração da prova de Singapura  tornam-na uma das mais árduas do calendário. Os pilotos perdem mais de três quilos durante as 61 voltas.Há previsão de chuva nos próximos dias, o que deve ajudar a reduzir a poluição, mas os organizadores da corrida disseram que vão monitorizar o problema.

“No caso de o nevoeiro atrapalhar a visibilidade, a saúde pública ou a logística, o GP de Singapura vai manter contactos com as agências relevantes antes de tomar quaisquer decisões colectivas em relação ao evento”, declarou um porta-voz da corrida.No ano passado, a fumaça sufocou a cidade e os índices de poluição chegaram a 401 em Junho. Qualquer marcação acima de 300 é considerada perigosa.

CONTRATO DE PÉREZ

O mexicano Sergio Pérez está perto de assinar um acordo com a Force India, para pilotar no próximo campeonato da Fórmula 1. O jovem já marcou 39 pontos na época e tem como melhor resultado do ano a terceira posição do Grande Prémio do Bahrein.

Sergio Pérez chegou à Force India em 2014, depois de ser dispensado pela McLaren, em que não conseguiu o desempenho esperado pelos chefes da tradicional equipa britânica. Iniciou a sua carreira na Sauber, equipa pelo qual pilotou em 2011 e 2012.

“As coisas estão a acertar-se e estamos bem perto de um acordo para o próximo ano, mas nunca se sabe. Tenho a experiência do passado. Nunca se sabe o que pode acontecer”, afirmou Pérez.

O piloto mexicano de apenas 24 anos de idade, marcou pontos nas últimas duas corridas do Mundial e ocupa a 11ª posição do mundial com 39 pontos, apenas dois a menos do que o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari. A Force India é a sexta colocada do Mundial de Construtores com 109 pontos, um atrás da McLaren.

“Estamos bem optimistas para este fim de semana. Temos um bom pacote de actualizações e acredito que possamos ser competitivos. A nossa luta é com os pilotos da McLaren e espero que possamos marcar mais pontos do que eles, nesse fim de semana”, afirmou Pérez.


Massa prevê 'revolta de pilotos'

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) quer regulamentar a comunicação entre equipas e pilotos em treinos e corridas na Fórmula 1.
Na mais recente lista divulgada pela entidade, a categoria é orientada a restringir a comunicação no que se refere aos desempenhos dos pilotos, vetando especificações técnicas que variam de carro para carro.

Em Singapura, o brasileiro Felipe Massa foi questionado sobre o assunto. O piloto da Williams disse que conversaria com Charlie Whiting, director de provas da FIA.

"Se continuar assim, teremos uma grande luta no briefing dos pilotos. Tudo bem não falar sobre pneus, mas há muitas coisas para administrar, como a temperatura dos travões. Se ficar muito alta, pode ter fogo no carro e talvez tenha um grande acidente", disse Massa, segundo o jornal "Daily Mirror". Felipe Massa lembrou do princípio de incêndio na Mercedes de Lewis Hamilton no GP da Hungria.

O brasileiro disse que tais situações podem ser evitadas com a comunicação via rádio com as equipas a respeito do acerto dos carros. "Aquilo não tem a ver com pilotagem; tem a ver com acertos complicados", disse.O regulamento ainda divide os pilotos. Enquanto o próprio Hamilton se mostra favorável, o espanhol Fernando Alonso faz críticas aos vetos."A regra não tem benefícios. Algumas das mensagens que recebemos são de segurança, não apenas de desempenho", disse Alonso.

O britânico da Mercedes, por sua vez, disse estar "animado" com as possibilidades que a mudança deve criar.                                        


GP SINGAPURA
Hamilton supera Fernando Alonso


Lewis Hamilton liderou ontem o segundo treino livre para o Grande Prémio de Singapura de Fórmula 1. O piloto britânico da Mercedes fechou a sessão no Circuito de Marina Bay com a marca de 1min47s490, melhor tempo do dia no traçado, e deixou para trás a concorrência dos carros da Ferrari e da Red Bull.

O espanhol Fernando Alonso (Ferrari), líder do primeiro treino livre, ficou com a segunda posição. Daniel Ricciardo (Red Bull) foi o terceiro, com Kimi Raikkonen (Ferrari) em quarto. Sebastian Vettel (Red Bull) evitou uma batida no fim do treino e melhorou a sua própria marca, mas não foi além da quinta posição.Nico Rosberg, líder do Mundial de pilotos, foi prejudicado pela batida de Pastor Maldonado (Lotus) no treino. Sem uma boa volta, o alemão da Mercedes foi apenas o 13º posicionado.A confirmar as expectativas da própria equipa, a Williams fechou o dia com um desempenho muito aquém do desejado. No segundo treino, Felipe Massa foi o 17º posicionado, enquanto Valtteri Bottas foi o 18º. Na primeira sessão, o brasileiro foi o 13º, enquanto o seu companheiro finlandês foi o 15º.

Os pilotos voltam à pista hoje para o terceiro treino livre (11h00 de Angola) e para o treino que define a grelha de largada (14h00 de Angola). A corrida acontece amanhã, às 13h00.


REVISÃO DA LISTA
FIA adia veto
de mensagens

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) divulgou ontem uma versão revisada da lista de mensagens de rádio proibidas na Fórmula 1. Agora, de acordo com a entidade, o veto – que se estende também às mensagens via placas – são restritas apenas ao desempenho dos pilotos.

A lista anterior continha também vetos às mensagens referentes ao desempenho dos carros em treinos e corridas. A FIA pretende implantar esta segunda parte da proibição, mas vai entrar em vigor apenas na época de 2015.

Em termos práticos, isso quer dizer que os pilotos e as equipes podem conversar normalmente sobre questões como tempos de volta, diferenças de tempos entre pilotos, escolha de pneus e estratégias de corridas, por exemplo. Por outro lado, estão vetadas mensagens a respeito de questões como a relação de marchas, estabilidade na travagem e uso do DRS em ultrapassagens, entre outros detalhes do carro.

"A lista anterior foi revisada depois que a FIA se encontrou com chefes de equipas em Singapura e decidiu adiar a restrição das mensagens referentes ao desempenho dos carros para a próxima sessão devido à complexidade de introduzir tal veto a curto prazo e aos potenciais diferentes efeitos entre as equipas", justifica o comunicado.O veto às mensagens de rádio foi determinado em acordo com o artigo 20.1 do regulamento de competições, segundo o qual "o piloto deve conduzir o seu carro sozinho e sem auxílio".