Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Portugal perde para a Tunísia

29 de Julho, 2017

Os tunisinos aumentaram a diferença no marcador, acabaram por vencer com justiça, impuseram o seu domínio na luta das tabelas, e foram mais eficientes no ataque ao cesto.

Fotografia: FIBA.COM

Portugal perdeu na quinta-feira com a Tunísia, por 68-59, no segundo jogo particular disputado em Vila Real, que serviu de preparação para a pré-qualificação do Mundial de basquetebol à formação lusa, enquanto os tunisinos preparam a presença no Afrobasket que organizam em conjunto com o Senegal.

Depois da derrota na véspera por 70-62, Mário Palma, ex-seleccionador nacional português e actual timoneiro da Tunísia, rectificou algumas lacunas verificadas no primeiro duelo, apresentou uma equipa mais concentrada e eficaz, tanto a defender como a atacar. Péssima entrada de Portugal no embate, a sofrer um parcial de 14-0, e a obrigar o seleccionador Mário Gomes a gastar desconto de tempo, com apenas dois minutos de jogo.

A entrada do base Tomás Barroso, aos cinco minutos, teve o efeito de serenar e controlar a ansiedade no ataque, com o jogador do Benfica a marcar cinco pontos seguidos, e a relançar a Seleção portuguesa para um resultado positivo. Durante os primeiros 20 minutos, Portugal foi pouco eficaz a atacar o cesto (10/26, 39 por cento), com a Tunísia a aproveitar as falhas adversárias e a manter uma óptima percentagem de 56 por cento (14/25) de lançamentos de campo, nomeadamente, nas áreas próximas do cesto.

A Seleção lusa continuou a ser muito intermitente em termos exibicionais. Depois dos primeiros cinco minutos horríveis no terceiro período, os basquetebolistas portugueses tentaram acertar nas acções ofensivas, e reequilibrar as operações. Mas falharam claramente o objectivo, apesar do capitão José Silva ressurgir ao seu melhor nível nos últimos instantes. Os tunisinos aumentaram a diferença no marcador, acabaram por vencer com justiça, impuseram o seu domínio na luta das tabelas, e foram mais eficientes no ataque ao cesto.