Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Portugus exorta coeso na gesto do bem pblico

lvaro Alexandre - 13 de Março, 2013

Vela e actualizao das regras para o quadrinio de 2012/2016

Fotografia: Jornal dos Desportos

O português Abel Nunes, prelector do curso de juízes e de oficiais de regata à vela e actualização das regras para o quadriénio de 2012/2016, que decorre de 4 a 14 do corrente mês, no hotel Continental, exortou ontem, em Luanda, os membros da Federação Angolana dos Desportos Náuticos e dos clubes a primarem pela coesão administrativa do bem público para facilitar o rápido desenvolvimento da modalidade no país. Abel Nunes constatou que existe um ambiente gritante de descoordenação na vela e citou que “os problemas de descoordenação são grandes e acentuados” bem como “a inexistência de um único denominador comum entre os clubes e a federação”.

“Uma formação desta dimensão devia ser organizada por um clube ou federação e não importa quem é o detentor da organização, mas com a pronta intervenção de todos agentes que intervêm directamente no processo”, disse.

O prelector salientou que a organização é a chave do sucesso de qualquer instituição.
“O sucesso e a estabilidade da Federação Angolana dos Desportos Náuticos passa por uma estrutura organizada de modelo, direccionada cada vez mais para o caminho da excelência”, disse.

O juiz e oficial de Regata da Federação Portuguesa de Vela justificou que a sua estada em Angola tem uma única finalidade e a intenção primordial é de dar um grande contributo no desenvolvimento da vela angolana. “Mais uma vez estou em Angola, como aconteceu em 2011, com uma missão de transmitir a minha experiência, e se for bem aproveitada, creio que o país pode atingir o rápido desenvolvimento desejado”, disse confiante. A acção formativa tem como objectivo municiar os velejadores e os técnicos com conhecimentos actualizados, visando a participação com sucesso nas competições internacionais. “Tratamos da sinalização da regata, das definições das regras e obrigações das embarcações em prova, obrigações e desempenho de quem tutela as provas, árbitros, oficiais de regata e juízes”, concluiu.
ÁLVARO ALEXANDRE