Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Presidente da FIA reconhece mau momento da Fórmula 1

28 de Janeiro, 2016

Ao contrário de Bernie Ecclestone, Jean Todt, presidente da Federação Internacional de Automobilismo, adota um discurso menos crítico em relação ao actual estado da Fórmula 1. Para ele, o grande problema é que os principais membros da FIA, concordam com o que é conversado internamente, mas momentos depois saem a falar mal de todas as decisões tomadas.“Eu não sei o que fazer, para acabar com os comentários negativos, por aqui. Eu gosto de fazer comparações. Você já viu o George Lucas fazer um filme e dizer: ‘meu filme é uma m...’?

É a mesma coisa. Aqui, o pessoal adora concordar internamente, e sair a falar para fora”, disse.Apesar de permanecer com uma postura mais moderada, Jean Todt reconhece que a Fórmula 1 não atravessa um grande momento e precisa trabalhar melhor algumas partes para voltar a atrair grande público e chamar a atenção das novas gerações. Ele aproveitou para pedir a ajuda da imprensa nessa tarefa.

“Na Fórmula 1, especificamente, muitas vezes existe uma autodestruição. Eu tenho meu jeito de comandar as coisas e sei que tenho meus defeitos. Podemos fazer melhor? Podemos. Devemos fazer melhor? Devemos, mas isso são coisas que precisamos de tratar internamente. A imprensa também podia mudar. Para atrair mais leitores, talvez fosse interessante falar melhor da categoria”, comentou.

MUDANÇAS

A Federação Internacional de Automobilismo, deve atender os pedidos dos pilotos da Fórmula 1 e pode apresentar nesta sexta-feira um projecto, para que uma maior proteção no cockpit seja implantada. Nos últimos anos, ocorreram diversos acidentes com pilotos não só da F1, como também de outras categorias, por conta da grande exposição que sofrem ao guiar o carro.

A Mercedes desenvolveu um protótipo, para solucionar o problema, que dá mais segurança ao piloto e protege o cockpit. O modelo “Halo”, por enquanto, é o que tem maior índice de aprovação por parte dos pilotos da Fórmula 1. Além dele, há também o “-2”, que não conseguiu atrair a preferência dos pilotos e de membros da FIA.A intenção é que as mudanças na estrutura dos carros, mais precisamente no cockpit, sejam implementadas em 2017, a pedido dos próprios pilotos da categoria.