Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Presidente da Indy renuncia

01 de Agosto, 2015

Organização da Fórmula Indy confirmou que Derrick Walker deixa o cargo em 31 de Agosto

Fotografia: AFP

Por meio de um comunicado, a Indycar anunciou, que o dirigente optou por deixar o cargo com o objectivo de “buscar outras oportunidades profissionais”, assim como informou que a “procura por um substituto está em curso”.

Ao oficializar a saída de Walker, após a etapa de Fontana, marcada para 30 de Agosto, a Indy também destacou as “importantes contribuições” que ele introduziu na categoria durante o período da sua gestão, que começou em Maio de 2013. Entre elas, estão a entrada da etapa de Boston como novo evento do calendário, a partir de 2016, e o ingresso do GP de Indianápolis a partir de 2014.

Walker também liderou um investimento adicional, para melhorar a tecnologia de controle de corrida, introduziu novos kits aerodinâmicos para os carros. Preocupado com os pilotos, eles conseguiu promover mudanças nos monopostos da Indy, para tornar os mesmos mais estáveis e consequentemente mais seguros.

Director executivo da Indy, Mark Miles, foi o responsável por comunicar a renúncia de Walker,  lamentou a sua saída nesta quinta feira. “Tivemos benefícios com a longa experiência de corrida de Derrick, seu esforço incansável e paixão pela Indy. E ele fará falta"”, afirmou o dirigente, que depois desejou sorte a Miles na continuidade da sua carreira profissional.

Walker, por sua vez, agradeceu a oportunidade de ter trabalhado de perto com proprietários de equipas, pilotos e com a equipa da Indy Car. “Depois de duas temporadas e meia de corridas, acredito que é a hora certa de avançar para outras oportunidades”, ressaltou.

Apesar do discurso dos dirigentes, Walker é mais um presidente a renunciar depois de nova crise a envolver um presidente da Indy.

O próprio Miles admitiu, em entrevista ao jornal IndyStar, que o mandatário estava decepcionado com os problemas ocorridos com kits aerodinâmicos e na direcção das provas, que geraram críticas dos pilotos.

Esses problemas foram evidentes nas duas provas de 500 Milhas do calendário. Primeiro nos treinos, para a tradicional 500 Milhas de Indianápolis e depois na prova de Fontana. E Walker também sofreu críticas, por atitudes consideradas inconsistentes na direcção de prova, assim como em punições polémicas que acabaram por serem aplicadas aos pilotos.

Em meio a este cenário de crise, o calendário da Indy conta no domingo com a etapa de Mid-Ohio, onde o colombiano Juan Pablo Montoya, líder do campeonato com a Penske, vai voltar a dar novo passo rumo ao título. Ele tem 445 pontos, enquanto o vice líder é Graham Rahal, com 403. Scott Dixon, com 397, o brasileiro Hélio Castroneves, com 391, vêm logo atrás nesta briga pelas primeiras posições.


PILOTO DA SAUBER
Nasr projecta maior pontuação no regresso


 Felipe Nasr encerrou a primeira metade da temporada 2015 da Fórmula 1, com 16 pontos, no 12º posto, à frente do companheiro de Sauber, o sueco Marcus Ericsson, mas distante dos primeiros lugares. O brasileiro gerou expectativa à claque, de que pode se aproximar de pilotos mais experientes, no Mundial, ao ter um grande início de temporada.

Ao terminar em quinto no GP da Austrália, obteve a melhor estreia de um brasileiro, na categoria. A boa colocação, contudo, não se repetiu ao longo do primeiro semestre. Nasr atribui a dificuldade às limitações do modelo C34 da Sauber. “Sabemos que o nosso carro tem limitações, em algumas áreas.

Para compensar isso, tentamos coisas diferentes. Mas o carro tem uma “janela estreita” para trabalhar os acertos, em busca da melhor performance” pondera o brasileiro.

Em razão do fraco desempenho do motor, Nasr tem oscilado, ao longo das etapas do campeonato. “É o meu primeiro ano como piloto da Fórmula 1, com altos e baixos. Estou a aprender muito a cada fim de semana. Como equipa, temos feito coisas boas até agora. Estamos indo na direcção correta”, disse, ao avaliar a primeira metade do campeonato.

A ganhar experiência a cada corrida, o brasileiro acredita que ele e a Sauber, com quem renovou o contrato, recentemente, devem ter um desempenho melhor na próxima temporada.

“Estou confiante de que vamos lutar por pontos, com mais frequência. Temos de ter a certeza de que as actualizações que vamos levar para as próximas corridas, estejam a funcionar correctamente. Será o primeiro passo para começarmos bem em 2016.”

Antes disso, Nasr espera voltar a somar pontos no campeonato, na volta da F1, com o GP da Bélgica. Ele passou as últimas quatro provas em branco - não soma pontos- desde o GP de Mónaco.

“ O nosso alvo é ficarmos novamente na zona de pontos. Perdemos algumas posições no campeonato e acho que não será fácil a recuperação. No entanto, continuo a acreditar nas actualizações do carro, o que deve ajudar a conseguirmos uma posição melhor [no Mundial de Pilotos]”, projecta.