Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pérolas começam caminhada

Silva Cacuti, Rio de Janeiro - 06 de Agosto, 2016

Pupilas de Filipe Cruz estão prontas para enfrentarem a forte selecção do Leste da Europa

Fotografia: Jornal dos Desportos

A medalha de bronze do último Campeonato do Mundo é a credencial mais visível da selecção romena, adversária de Angola, hoje, às 23H30, no recinto do Arena Futuro, para a abertura do torneio Olímpico do Rio de Janeiro. Noutros documentos que as romenas trazem nota-se que são as únicas que participaram em todas as edições dos campeonatos mundiais.

Mas a Roménia é só um de todos adversários duros que Angola terá pela frente, como o Brasil, anfitrião; Noruega, campeã olímpica e mundial, Montenegro, vice-campeã olímpica; e a Espanha que ocupou o último lugar do pódio nos Jogos Olímpicos de Londres2012.

Filipe Cruz, seleccionador nacional sabe que nada tem a perder, depois de a sorte ter colocado a sua equipa no considerado grupo da morte. Trabalhar, é a sua palavra de ordem porque sabe que, se lograr duas vitórias podem catapultar a selecção nacional para a inédita qualificação aos quartos de final do torneio de andebol dos jogos olímpicos do Rio 2016.

Não é uma tarefa fácil. O combinado nacional deverá trabalhar nos limites do extraordinário, tanto nas suas capacidades físico–atléticas,  como no rigor táctico e concentração competitiva. A selecção tem jogadoras cuja criatividade e capacidade de improviso devem ser estimulados e bem aproveitados nos momentos mais difíceis do jogo. Recomenda-se também agressividade nas acções defensivas.

A equipa testou com a Rússia, já aqui no Brasil, único teste verdadeiramente sério, depois dos jogos com equipas juniores masculinas em Luanda, onde a média de golos sofridos sugere o máximo de cautelas defensivas.

A Selecção Nacional está no Rio de Janeiro com as seguintes atletas: Cristina Branco, Neide Barbosa e Teresa Almeida "Bá". Isabel Guialo, Lurdes Monteiro, Juliana Machado, Liliana Venâncio, Janeth dos Santos, Natália Bernardo, Luisa Kiala, Azenaide Carlos, Magda Cazanga, Wuta Dombaxi, Vilma Nenganga e Albertina Cassoma.

Enquanto isso, a Roménia teve uma preparação cuidada, coordenada com os objectivos de voltar a ter um título mundial que lhe foge há 54 anos. Tomas Ryde, técnico astuto, logrou o terceiro lugar no último mundial.

Cristina Neagu atleta que evolui em Montenegro, é a sua principal estrela. Ela e outras duas Brest Bretagne (França) e Handbold (Dinamarca) são as únicas que evoluem fora do seu campeonato. É, por isso, uma selecção que tem conjunto, e com características muito semelhantes à equipa angolana.

A Roménia é um adversário temível, para qualquer equipa do andebol mundial, porque trabalha para explorar elevada capacidade física das suas jogadoras, facto que, não poucas vezes afecta a integridade das adversárias.

A primeira jornada do grupo A fica completa com as partidas Noruega-Brasil, às 14H30  e Montenegro Espanha, às 20H40, no mesmo recinto.
No grupo B jogam Holanda-França; Rússia - Coreia do Sul e Suécia Argentina.


Campanha
Pedro Godinho está confiante


A missão olímpica angolana tem vivido apertos decorrentes da crise financeira que abala o país.

 Na sequência a missão recebeu os seus equipamentos apenas há dois e, segundo António Monteiro do Comité Olímpico Angolano (COA), as ajudas de custo não estão a ser disponibilizadas.

Confrontado com estas informações, Pedro Godinho, presidente da Federação Angolana de Andebol, primeira modalidade a entrar em cena, minimizou o seu efeito no desempenho da selecção nacional. "As atletas vivem o deslumbre que é estar nos jogos olímpicos, qualquer atleta gosta e como um objectivo pessoal. Elas conversam com os responsáveis, porque têm constrangimentos, mas conhecemos as nossas atletas e creio que em campo este assunto não vai ser lembrado. Elas vão bater-se com valentia, para tentar ganhar. Mas é necessário que as autoridades desenvolvam esforços para mantém os atletas da missão com bons níveis de motivação", defendeu.

Pedro Godinho referiu que a equipa está bem e livre de lesões. "Falei com o médico e me assegurou que, do ponto de vista físico, não há problemas nenhuns. O consulado colocou televisores na nossa zona residencial da vila e creio que estamos preparados para jogar", comentou.

 A equipa nacional estreia-se hoje, diante da Roménia e, no dia 8 joga a segunda jornada com Montenegro. Dois dias depois a selecção defronta a similar da Noruega.

A 12 de Agosto as comandadas de Filipe Cruz jogam com a equipa anfitriã e encerram a primeira fase da prova diante da Espanha.
SC