Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

"Prolas mantiveram o foco"

Silva Cacuti - 03 de Outubro, 2019

Treinador dinamarqus leva as angolanas s terras de sol nascente

Fotografia: Paulo Mulaza | Edies Novembro

O dinamarquês Morten Soubak, seleccionador nacional sénior feminino, descreveu ironicamente como \"bonito\", o ambiente em torno do torneio de qualificação aos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, em Dakar, Senegal, marcado por muita pressão dos adeptos sobre as Pérolas, designação da selecção nacional sénior feminina. À chegada da equipa ao país,  o treinador disse que, apesar de tudo, as jogadoras angolanas não se deixaram influenciar.
\"Primeiro, parabéns ao Senegal, por ter construído um pavilhão tão bonito no qual cabem 15 mil pessoas, mas não estava nem perto. Mesmo assim, quem estava no recinto, conseguiu fazer um barulho bonito, pois não tive como comunicar bem com a equipa. Havia mesmo muito barulho. Já tínhamos preparado isto e as meninas estavam extremamente focadas no jogo inteiro, independente do que faziam as claques. Parabéns a elas\", comentou.
Jogar para estar nos Jogos Olímpicos é sempre uma motivação extra que, admitiu, \"influenciou o comportamento da equipa\", ante a hostilidade dos adeptos senegaleses.
Morten Soubak considerou os jogos diante da RDC e do Senegal equiparados em termos de dificuldades.
Nos dois jogos, notou que a equipa \"não conseguiu sair tão bem nos primeiros 10 minutos do segundo tempo\" e considerou ser \"normal\" numa partida de andebol.
Sobre a qualificação, disse estar satisfeito com o objectivo cumprido.
\"Claro, em bastantes anos, fizemos o jogo mais importante: classificamo-nos para os Jogos Olímpicos e, se posso falar em família do andebol angolano, estamos todos felizes\", manifestou.
A questão da concentração do grupo foi também abordada por Isabel Guialo \"Belinha\", capitã da selecção nacional.
\"O grupo sabia das dificuldades. Ao sairmos daqui, tínhamos o compromisso com o país. Mantivemos a concentração do princípio ao fim. Houve muita conversa e muita dinâmica de grupo para dar força, motivar as colegas; dizer que estávamos a jogar em casa delas, mas somos as campeãs africanas e tínhamos de mostrar isso por A mais B. Felizmente, resultou\", disse.
 A rivalidade em campo não impediu que algumas senegalesas, no final da partida, fossem felicitar as angolanas, nem que as vencedoras fossem consolar as que choravam pela derrota caseira, revelou a capitã.
\"Cerca de três jogadoras do Senegal são nossas amigas desde o CAN passado e foram felicitar-nos. Algumas nem por isso, puseram-se a chorar, mas ainda assim tentamos motivá-las, saudámo-las e aconselhámos de que pela próxima pode ser melhor\", disse.
Angola apurou-se para os Jogos Olímpicos, ao vergar as selecções da RDC e do Senegal, durante o torneio pré-olímpico de Dakar. No primeiro jogo, despachou a RDC por 29-21 e, no segundo, venceu a equipa anfitriã por 22-14. São as primeiras integrantes da Missão olímpica angolana para Tóquio 2020.