Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pérolas projectam campeonato africano

Silva Cacuti - 06 de Novembro, 2016

A selecção recebeu cumprimentos de despedida do ministro angolano da Juventude e Desporto Albino da Conceição que prometeu dar todo o apoio

Fotografia: Vigas da Purificação

A Selecção Nacional sénior feminina de andebol embarca hoje para a região portuguesa de Gaia, onde vai cumprir até 26 do corrente o plano de preparação visando a participação na 22ª edição do Campeonato Africano da categoria que Luanda acolhe de 28 do corrente a sete de Dezembro próximo.

A Selecção Nacional prevê realizar cerca de seis jogos de controlo. Segundo Filipe Cruz, em função do nível do andebol feminino português, vai preferir que, sempre que os adversários sejam daquele país, seja uma equipa masculina.

A selecção recebeu cumprimentos de despedida do ministro angolano da Juventude e Desporto, Albino da Conceição que prometeu dar todo o apoio de que venha a precisar durante a preparação e mesmo na competição.

O objectivo da selecção é recuperar o título africano perdido para a Tunísia na edição de 2014, na Argélia.

Filipe Cruz leva as guarda-redes Teresa Almeida e Neide Barbosa; as meia-distâncias Azenaide Carlos, Magda Cazanga, Vilma Nenganga, Isabel Guialo, Lurdes Monteiro, Lourena Carlos, Luisa Kiala, Wuta Dombaxi (meia-distâncias); Janet dos Santos, Juliana Machado, Joelma Viegas, Dalva Peres, Natália Bernardo, Carolina Morais (pontas) e as pivots Albertina Cassoma e Liliana Venâncio.

Angola vai jogar o campeonato inserida no grupo A, ao lado da Costa do Marfim, adversário da abertura, Camarões, Senegal e  RDC, enquanto que o B é composto pela Tunísia, Argélia, Congo, Guiné. O Egipto que integrava o grupo B, desistiu por dificuldades financeiras.    

SIMÃO FILHO GANHA
ASSOCIAÇÂO DE LUANDA

Pela segunda vez consecutiva, Adérito Cavala, que concorria para a presidência da Associação Provincial de Andebol de Luanda (Apal) pela lista A, perde nas urnas. Desta vez a candidatura de Cavala foi relegada para segundo plano pelos associados a favor de Simão Filho, que concorreu pela lista B.

No acto realizado ontem, na sede da associação, sob orientação de uma comissão eleitoral presidida por Eliseu Major, participaram sete clubes. Apenas dois creditaram o programa de acção apresentado por Cavala. Outros cinco escolheram votar favoravelmente no programa de Simão Filho.
"Queremos agradecer o apoio dos associados e dizer que se votaram a nosso favor têm confiança no nosso programa. É uma responsabilidade grande, vamos desenvolver um trabalho conscientes de que os associados vão pegar no nosso programa e conferir as nossas acções", disse o novo presidente da Apal.

Adérito Cavala aceitou a derrota, disse que mais uma vez recebeu garantias de voto dos associados, mas que na prática não se confirmou e prometeu colaborar com o seu concorrente eleito.

"É a segunda tentativa, mesmo resultado de 2012, mais uma vez ficamos nas promessas dos associados de que estavam connosco mas que acabaram por fazer um exercício para aquele projecto que eu entendo que na consistência e entender dos associados o que daria maior credibilidade e traga soluções para o estado actual da modalidade, enfim felicito o Simão Filho.    Se a lista eleita em algum momento solicitar alguma opinião estamos aqui, nunca nos vamos fechar ao andebol ", disse Cavala.

O vencedor das eleições quer arregaçar as mangas para o trabalho e, apesar da tomada de posse estar prevista para o dia 10 do corrente, já estabeleceu como prioridade a criação de um portal para a Apal.

A recuperação das instalações cedidas pelo Governo Provincial de Luanda à Apal é outra das acções constantes do programa de acção
Jogador universal, Simão filho jogou pelo Asa, Interclube, 1º de Agosto, Progresso do Sambizanga e Sporting de Luanda. O novo presidente da Apal substitui António Custódio.