Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Promotora busca parcerias

Silva Cacuti - 22 de Janeiro, 2015

Tony Kicanga pode lutar fora do país para salvaguardar imagem que ostenta como campeão mundial da versão do Conselho Universal

Fotografia: Domingos Cadência

Depois dos apelos lançados na segunda-feira para o engajamento da classe empresarial a fim de assegurar o valor para o "cachet" (prémios) do combate de defesa do título mundial, entre Tony Kicanga, angolano, e o desafiante George Aduashvili, da Geórgia, o Jornal dos Desportos apurou que a promotora Guedes Promotions ainda aguarda por "acções concretas" da sociedade angolana.

"Ainda não tivemos uma resposta positiva, apesar de termos contactos avançados. Portanto, a realização do combate não está assegurada, porque sem o cachet nada podemos fazer", disse fonte da promotora.

A gala estava inicialmente aprazada para 24 do corrente, mas a promotora teve de adiar para 7 de Fevereiro por indisponibilidade do valor.
Recentemente, António Gomes, director nacional dos Desportos, confirmou o interesse de ver Tony Kicanga defender o seu título no país, diante do apoio que lhe reserva.

"Sempre houve interesse de nossa parte que o pugilista defendesse o seu título e que o fizesse cá no país. O que tentámos salvaguardar é que esses eventos sejam promovidos por agentes próprios, porque não temos responsabilidades directas neste processo enquanto órgão de gestão da política desportiva do Estado angolano", disse.

A gala corre ainda o risco de não se realizar no país por se verificar indiferença da sociedade angolana em relação aos apoios para garantir o "cachet" de Tony Kicanga e do seu adversário.

"Estamos confiantes de que isto não vai acontecer, porque era uma vergonha muito grande para o país. Estamos confiantes de que os contactos feitos por nós e o apelo que lançámos há-de ser ouvido", disse um dos responsáveis da promotora ouvido pelo Jornal dos Desportos.

O combate, segundo apurámos, é simultaneamente válido para a defesa do título mundial da versão do Conselho Universal de Boxe (UBC), em posse do pugilista angolano, e para a obtenção do título mundial da versão do Conselho Mundial de Boxe (WBC).

O WBC é uma das três organizações maiores reconhecidas pelo IBHOF que sancionam os campeonatos mundiais de boxe ao lado da Federação Internacional de Boxe (IBF) e da Associação Mundial de Boxe (WBA).

Tony Kicanga tem um registo de 40 combates com o saldo de 17 vitórias (11KO), 20 derrotas (13KO), dois empates e um combate nulo.