Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Prova regressa com o GP da Blgica

25 de Agosto, 2018

O Grande Prmio da Blgica tem largada prevista para as 14h10 de domingo, 26 (hora de Angola).

Fotografia: AFP

O “circo” da Fórmula 1 instalou a “tenda” no circuito de SPA-Francorchamps, depois de três semanas de merecidas férias. O Grande Prémio da Bélgica, uma das mais antigas provas do calendário desportivo, tem como principal aliciante a disputa pela vitória entre Lewis Hamilton e Sebastian Vettel.
Os dois rivais estão empenhados na conquista do respectivo quinto título mundial e apresentam-se no histórico circuito de 7.004 km de extensão como únicos candidatos ao ambicionado troféu da principal categoria do desporto automóvel.
Com nove corridas ainda pela frente, o piloto britânico da Mercedes e o alemão da Ferrari estão separados por meros 24 pontos, que correspondem praticamente a uma vitória, premiada com 25.
Com cinco vitórias até agora, Lewis Hamilton puxou dos seus “galões” na Alemanha e na Hungria, palco dos últimos grandes prémios, onde recuperou de um decepcionante início de temporada, quando a Ferrari surpreendeu a Mercedes pela rapidez e estratégia na Austrália e Bahrein.
O equilíbrio de forças actual abre a perspectiva de novo duelo entre os dois principais candidatos à vitória neste domingo no célebre “Circuito das Ardenas”, inaugurado em 1925 e considerado unanimemente pelos pilotos de Fórmula 1 como o melhor e mais desafiante do Mundo.
Inscrito no calendário de Fórmula 1 desde 1950, na versão original de 14 km aproximadamente, perdeu a titularidade em 1972, por ser considerado extremamente perigoso. Voltou a ser “palco” da categoria em 1985, no formato actual, que mantém as características originais, com uma retumbante vitória do brasileiro Ayrton Senna - a segunda da sua impressionante carreira - ao volante de Lotus-Renault. Ilustres vencedores como Jim Clark e Michael Schumacher, ambos campeões do Mundo, entre outros, impuseram-se várias vezes no asfalto da densa floresta.
Por ser uma pista de alta velocidade muito exigente para pilotos e chassis, a Mercedes e a Ferrari partem como favoritas à vitória, com a Red Bull-Renault à espreita de um desaire das equipas que lideram a tabela de construtores.
Apenas dez pontos - o equivalente a um quinto lugar num Grande Prémio - separam a líder Mercedes da rival Ferrari. Pela lógica, os seus respectivos pilotos têm “argumentos” para discutir a vitória, ainda que os finlandeses Valtteri Bottas e Kimi Raikkonen somem menos pontos do que os seus pares nas equipas alemã e italiana.
Sem desprimor para o australiano Daniel Ricciardo e o holandês Max Verstappen, a Red Bull-Renault sofre na comparação com as duas primeiras equipas do “mundial” em circuitos de alta velocidade, como SPA-Francorchamps e Monza, que dentro de duas semanas acolhe o Grande Prémio da Itália, última prova europeia desta temporada.
Mas isso não significa que a corrida será um “passeio” para os pilotos da Mercedes e da Ferrari, pois as condições atmosféricas na região do circuito semi-permanente belga são sempre uma incógnita. O provável aparecimento da chuva neste fim-de-semana pode baralhar as previsões. O Grande Prémio da Bélgica tem largada prevista para as 14h10 de domingo, 26 (hora de Angola).