Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pyongyang promete gastar menos

26 de Fevereiro, 2014

Presidente da comissão organizadora promete organizar os Jogos com cerca de nove mil milhões de dólares

Fotografia: AFP

A Coreia do Sul realizou a sua apresentação sobre os Jogos de Inverno Pyongyang 2018, no encerramento da competição de Sochi e prometeu gastar menos que os russos.

Esta é a terceira vez que os jogos vão ser realizados em solo asiático, Saporo (1972) e Nagano (1998), e pela primeira vez no país que recebeu a Olimpíada de Verão de 1988, em Seul.

De acordo com o presidente do Comité Organizador, Kim Jin-sun, o orçamento previsto é de 9 mil milhões de dólares, sendo  7 mil milhões para infra-estruturas.

Para realizar Sochi 2014, o Governo russo e o Comité Olímpico Russo desembolsaram 50 mil milhões de dólares e o custo estimado do Rio de Janeiro 2016, por sua vez, em infra-estruturas e para a competição está previsto em cerca de  58 mil milhões de dólares..

Na apresentação, os sul-coreanos reforçaram o lema dos Jogos, “Novos Horizontes”. Jin-sun afirmou que os desportos de inverno ainda são subdesenvolvidos em relação à Europa e à América do Norte e Pyongyang “vai abrir uma janela de oportunidades” para o continente. Uma questão não respondida de maneira política prende-se com a Coreia do Norte, já que o país não enviou delegação a Sochi.

O dirigente sul-coreano foi questionado sobre se pretendem colaborar para que os vizinhos norte-coreanos levem alguns atletas para Pyongyang. “A Coreia do Norte tem algumas instalações de desportos de inverno e outras em desenvolvimento.

Espero que nestes próximos quatro anos eles possam crescer”, comentou.Em Pyongyang, a promessa é de que as obras das instalações desportivas comecem em 2014 e a maior parte seja entregue em 2016.

Comboios de alta velocidade e novas estradas estão em construção para responder às necessidades dos atletas, turistas e órgãos de comunicação social.A promessa do Comité Organizador é de uma maior facilidade e velocidade em relação à última edição em Sochi. Segundo os sul-coreanos, o percurso entre o novo Estádio Olímpico e a região das provas de montanha vai ser de apenas 30 minutos. Em Sochi  o mesmo percurso demorou uma hora e vinte minutos.

Em Sochi 2014, os russos tiveram de investir muito em segurança, especialmente em razão das ameaças de minorias e grupos religiosos contrários ao poder central.

O presidente do Comité Organizador declarou que a Coreia do Sul é um dos países mais seguros do planeta e que não vai poupar investimentos por entender que a “segurança é um dos principais factores para o sucesso de Jogos Olímpicos”.

Em 12.º lugar no IDH-Índice de Desenvolvimento Humano, a Coreia do Sul recebeu em 1988 os Jogos Olímpicos de Seul e em 2002 repartiu a organização da Copa do Mundo da FIFA com o Japão.

“A Coreia desenvolveu-se muito nos últimos 30 anos e o Mundo pode comprovar esse desenvolvimento em Pyongyang”, disse  Jin-sun.

PATRICK SINKEWITZ
Tribunal arbitral confirma suspensão


O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) confirmou  a pena de oito anos de suspensão imposta ao ciclista Patrick Sinkewitz, aceitando o recurso interposto pela Agência Nacional Antidoping alemã (NADA).

A agência nacional alemã apelou para o TAS depois de o Tribunal Arbitral do Desporto Alemão ter ilibado o quarto classificado da Volta a Portugal de 2010 de qualquer violação antidoping.

Sinkewitz foi submetido a um controlo antidoping a 27 de Fevereiro de 2011, no final do Grande Prémio de Lugano, na Suíça, com as análises A e B a revelarem a presença de hormona recombinante de crescimento (recGH).