Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Qatar garante condies

29 de Janeiro, 2015

Campeonato do Mundo referiu que at mesmo os locais de Fan Fest,

Fotografia: AFP

A FIFA continua com a firme ideia de mudar o período de disputa do Mundial de 2022 para meses de temperatura menos sufocante, mas o Qatar insiste que a prova de 2022 pode ser disputada em Junho e Julho, em pleno Verão, quando as temperaturas no país atingem 50 graus durante o dia. O director de comunicação do Comité Supremo da Competição de 2022, Nasser Al Khater, afirmou  que os estádios e os campos de treino do Mundial vão ter  um moderno e avançado sistema de refrigeração. O estádio com ar-condicionado vai usar  energia sustentável, solar, algo novo que está em fase de testes. Segundo técnicos, a temperatura no campo para os jogadores vai ser de 26 graus, e nas dependências destinadas ao público fica em 28 graus.

“Estamos convencidos de que podemos sediar o Mundial no Verão de 2022. Não é um mito, a tecnologia de refrigeração já existe. Não é uma novidade para nós”, afirmou Al Khater, num encontro com jornalistas em Doha.Está prevista a construção ou reforma de até 12 estádios, e de 64 campos de treinamento que usarão a nova tecnologia. O custo de cada estádio não foi revelado.Técnicos dizem que o custo adicional desse sistema de refrigeração não é significativo no valor total do projecto.

O dirigente do Comité espera que a questão sobre a data do Mundial seja solucionada na próxima reunião com a FIFA, no dia 24 de Fevereiro. “A decisão final vai ser tomada pela FIFA. Vão ser discutidas as opções de Verão e Inverno. E esperamos que uma decisão seja tomada”, disse Nasser Al Khater.O Comité Supremo do Campeonato do Mundo referiu que até mesmo os locais de Fan Fest, festa realizada pela FIFA fora dos estádios, também contam com o sistema de refrigeração que será usado nos estádios.

Na prática, se o Mundial no Qatar for disputada no Verão, jogadores e adeptos têm de passar a maior parte do tempo isolados em ambientes refrigerados - no hotel, no estádio ou nos campos de treinamentos -, porque circular pelas ruas ou ficar ao ar livre debaixo de temperaturas altíssimas é impraticável.

A FIFA, no entanto, já dá como certa a competição de 2022 no Inverno, em Dezembro ou Janeiro - ainda que a mudança possa causar problemas no calendário dos clubes europeus, que vão ser  obrigados a interromper as suas competições para a realização do Mundial e reiniciá-las depois do evento no Qatar.

Na semana passada, o secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, deixou claro que a intenção da entidade é que principal competição de futebol do mundo mude de data para fugir do calor. “Vai haver Mundial do Qatar. A única coisa a definir é quando vai realizado. É claro que não vai ser realizada em Junho e Julho, isso está claro para todos. Ou vai ser  no começo ou no final de 2022.”

POUCO ÁLCOOL
 Al Khater também falou sobre outro assunto polémico em relação ao Mundial, o consumo de bebidas alcoólicas, pois no Qatar a venda é restrita a poucos bares e restaurantes. Segundo ele, os estrangeiros vão entender os hábitos locais sem deixar de aproveitar o Mundial. .”

ELEIÇÕES NA FIFA
Presidente da federação
alemã elogia  Van Praag


O presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB), Wolfgang Niersbach, elogiou  a "integridade" do holandês Michael Van Praag, que anunciou na segunda-feira a sua candidatura à presidência da FIFA."Só posso falar bem dele. É uma pessoa de uma integridade absoluta, com grande credibilidade", elogiou Niersbach, antes de ressaltar que espera "não haver uma campanha eleitoral suja".

O dirigente alemão ainda garantiu que o presidente da Federação Holandesa (KNVB) "tem as cartas" de recomendação exigidas pela FIFA para sua candidatura. As cartas precisam de ser enviadas por pelo menos a cinco federações-membros da entidade.Michael Van Praag, que é membro do comite executivo da UEFA, anunciou a candidatura na segunda-feira, alegando que estava "muito preocupado" com a FIFA.

Além de Van Praag, outros três candidatos vão tentar  tirar do "cadeirão" do organismo o presidente actual o suíço Joseph Blatter, que disputa aos 78 anos o seu quinto mandato. São eles o príncipe jordaniano Ali bin Al Hussein e os franceses Jerôme Champagne e David Ginola."Está na hora de a organização ser normalizada e focar novamente no futebol", afirmou Van Praag em comunicado divulgado na segunda-feira, antes de revelar que esperou em vão que aparecesse outro candidato com credibilidade.

"Como ninguém apareceu, não me posso contentar com palavras. É preciso agir",disse.No congresso de São Paulo, realizado em Junho do passado, na véspera do Campeonato do Mundo no Brasil, o holandês fez duras críticas à gestão de Blatter. "Gosto muito do senhor, o senhor conhece a minha esposa. Não veja nada pessoal nisso, mas a imagem da FIFA foi manchada por tudo que aconteceu nos últimos anos. A FIFA e a corrupção são indissociáveis. O senhor não devia candidatar-se de novo", declarou o dirigente ao microfone na capital paulista, na frente do próprio Blatter.