Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Queniana é atracão no Brasil

25 de Dezembro, 2016

Queniana e a tricampeã da prova a etíope Ymer Ayalew são favoritas ao pódio

Fotografia: AFP

A 92ª Corrida Internacional de São Silvestre confirmou mais um destaque feminino do circuito internacional. Trata-se da queniana Jemima Sumgong, de 31 anos, campeã olímpica na maratona dos Jogos Rio 2016, que vai disputar a principal prova de rua da América Latina, em 31 de Dezembro. Ela  junta-se à tricampeã da prova, a etíope Ymer Ayalew, favorita ao topo do pódio entre as estrangeiras, que vão em busca do título inédito.

Com a presença de atletas renomados, a edição deste ano da São Silvestre tem tudo para ser uma das mais fortes da história da competição, que fecha o ano desportivo nacional. Nas olimpíadas do Rio, Sumgong fez uma arrancada espetacular na recta final do percurso de 42,195km,  chegou nove segundos à frente da segunda colocada com o tempo de 2h24m04s.

Jemima é unanimidade do atletismo mundial, com resultados expressivos desde 2004, então com 20 anos. Em 2011, após dois anos afastada das competições por causa do nascimento do filho, ela regressou com tudo e venceu a Maratona de Castellon, em Espanha. Os resultados continuaram a acontecer: em 2012 foi vice na Maratona de Boston (EUA), em 2013 ganhou a Maratona de Roterdã (Holanda) e foi vice da Maratona de Chicago (EUA), em 2014, foi quarta em Boston e vice em Nova York, entre outros feitos.

Na temporada 2016, a atleta venceu a Maratona de Londres em Abril, resultado que  garantiu uma vaga para os Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro. A São Silvestre vai reunir cerca de 30 mil corredores de diversas partes do mundo, que vão percorrer 15 km por ruas e avenidas de São Paulo. A largada vai ser na Avenida Paulista, altura da rua Ministro Rocha Azevedo, e a chegada em frente ao prédio da Fundação Cásper Líbero. A programação no dia da prova começa às 8h20, com a categoria Cadeirantes. Em seguida, é a vez da elite feminina, às 8h40. A partir das 9h00 tem lugar a vez das pessoas com deficiências, pelotão de elite masculino e pelotão geral (masculino e feminino), nesta ordem.

Ao longo de seus 92 anos, a São Silvestre está a adaptar-se à mudanças e a cidade, 12  percursos e 18 distâncias diferentes, em razão do próprio crescimento. A primeira, aconteceu em 1989, quando passou a ser realizada à tarde, para possibilitar  mais segurança  aos atletas e ao público. Desde 2012, o evento acontece pela manhã, como as grandes provas no mundo.

A retirada do kit e do chip vai acontecer nos dias 27, 28 e 29 de Dezembro, das 9h00 às 19h00, e no dia 30 de Dezembro, das 9h00 às16h00, no Ginásio Mauro Pinheiro - Rua Abílio Soares, 1300, em São Paulo. O atleta comparece pessoalmente.


RÚSSIA
COI inicia
procedimento
disciplinar


Após a publicação de um relatório independente no início de Dezembro, o Comité Olímpico Internacional anunciou que vai dar início a um procedimento disciplinar que envolve 28 atletas russos que participaram nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, em Sochi.

De acordo com as informações da entidade, foram investigadas 95 amostras de urina de atletas da Rússia, fornecidas pelo próprio COI. Depois da análise do Professor McLaren (responsável pelo relatório), foram apontadas 28 com provas de manipulação. Agora, estas amostras foram enviadas de volta ao Laboratório Antidoping de Lausanne, na Suíça, para serem novamente analisadas.

“Esta é a atitude imediata após o relatório do Professor McLaren. O COI irá além das descobertas do relatório, pois irá reanalisar todas as amostras de todos os atletas russos que participaram nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, em 2014, assim como as daqueles que participaram dos Jogos de Londres, em 2012”, disse Thomas Bach, presidente do Comitê.

Apesar de ainda não haver provas de doping, o simples facto de ter acontecido algum tipo de manipulação nas amostras pode levar a sanções, por violação das normas antidoping. Até agora, 27 atletas da Rússia foram sancionados pelo COI como resultado do programa de reanálise sobre os Jogos de Pequim 2008, e Londres 2012, que teve início antes dos Jogos do Rio 2016 e ainda não foi finalizado. Amostras dos russos que participaram dos Jogos de Inverno de Vancouver, em 2010, também serão reavaliadas.

Ainda segundo o comunicado, a protecção dos atletas e a luta contra o doping são as prioridades do Comité Olímpico Internacional, conforme declara a Agenda Olímpica 2020, o mapa estratégico do COI para o futuro das Olimpíadas.