Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Queniana Kiplagat bate recordes mundiais

17 de Fevereiro, 2015

O europeu colocou-se à frente de uma linha de quatro atletas da Etiópia, que teve ainda Azmeraw Mengistu, que ficou em terceiro lugar, Yitayal Atanfu em quarto, e Fentahun Simeneh em quinto.

Fotografia: AFP

A queniana Florence Jebet Kiplagat escreveu uma página histórica no atletismo de rua ao bater três recordes mundiais durante a meia maratona de Barcelona, na qual saiu vitoriosa com o tempo de 1h05min09s. Kiplagat fez o melhor tempo da história na prova de 21 quilómetros. A queniana baixou em 3s a marca que tinha registado em 2014.

Além disso, baixou os recordes de 20 quilómetros, trecho pelo qual passou em 1h01min54s e dos 15 quilómetros com 46min14s. O desempenho da queniana foi tão incrível que podia ser a 12ª classificada na prova masculina. A atleta de 27 anos foi quase nove minutos mais rápida que a ­segunda colocada, a irlandesa Elizabeth Lee. O terceiro lugar foi da sueca Charlotte Karlsson.

Entre os homens, o vencedor foi o suíço Tadesse Abraham, com a marca de 1h00min42s, apenas três segundos à frente do segundo colocado, o etíope Getu Feleke. O europeu colocou-se à frente de uma linha de quatro atletas da Etiópia, que teve ainda Azmeraw Mengistu, que ficou em terceiro lugar, Yitayal Atanfu em quarto, e Fentahun Simeneh em quinto.

MORRE LENDA
DA JUGOSLÁVIA

O ídolo do atletismo jugoslavo Franjo Mihalic, vice-campeão olímpico da maratona em 1956, em Melbourne, morreu no último fim de semana aos 95 anos de idade, informou a Federação Sérvia de Atletismo. Mihalic venceu entre outras competições, duas edições da corrida de São Silvestre, em São Paulo, em 1952 e 1954. Em 1953, ficou em segundo lugar, ao perder ema favor da outra lenda, o tcheco Emil Zatopek.

Numa nota divulgada no site, a federação diz que o ídolo morreu no hospital militar de Belgrado e lembra que o ex-maratonista dedicou toda a vida ao desporto e ao atletismo. Nihalic bateu 22 recordes. Também teve uma longa carreira em competições para veteranos. Além de participar em maratonas de carácter local na categoria de maiores de 90 anos, o ex-corredor era treinador de atletismo no Partizan, além de árbitro e organizador de várias competições.