Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Queniano Kipchoge colocado no patamar de super-homem

14 de Outubro, 2019

Sinto-me bem, fazer histria era o meu objetivo, referiu o queniano, recordando o feito do britnico Roger Bannister, que, em 1954, foi o primeiro atleta a correr a milha (1,60934 metros) em menos de quatro minutos.

Fotografia: Dr

O queniano Eliud Kipchoge, recordista mundial da maratona, correu este sábado os 42,195 quilómetros em 1:59.40,2 horas, em Viena, numa corrida não oficial organizada para este efeito. Aos 34 anos, Eliud Kipchoge, recordista mundial da distância (02:01.39 horas na Maratona de Berlim, em 2018), foi o primeiro a baixar as duas horas para completar o desafio INEOS 1.59, promovido pelo gigante inglês da petroquímica, após ter falhado o objetivo por 26 segundos em Maio de 2017, numa primeira tentativa realizada em Monza.
O campeão olímpico no Rio2016 foi o único protagonista do evento não oficial decorrido em Viena e destinado apenas para aquele efeito, mas a marca de 1:59.40,2 horas, que seria recorde mundial, não vai receber homologação da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF), tal como sucedeu no circuito automobilístico italiano.
“Não deixa de ser um momento histórico de um super-homem e de um superatleta. Há anos era impossível pensar nisto, mas a modalidade e o desporto têm evoluído e há cada vez mais condições para o fazer. A prova disso é que o Kipchoge teve um cenário à volta dele e vários meses de preparação para este momento”, lembrou à Lusa Dulce Félix, que alcançou a 1:08.32 horas na Meia Maratona de Lisboa, em 2011.
O circuito foi preparado para o efeito, cercado de árvores, para o proteger do vento, aliado à temperatura amena na capital austríaca.
Além dessas condições, Kipchoge começou a correr às 8:15 locais (7:15 em Portugal continental) atrás de um carro corta-vento e marcador de tempo, sendo acompanhado por 41 atletas de topo, que cumpriram a missão de “lebres” por turnos.
Dulce Félix disse ainda acreditar que o feito de Kipchoge inspira toda uma geração: “No final ele disse que não há limites. Foi a prova de que quando queremos, conseguimos os nossos objectivos”.

SER HUMANO
NÃO TEM LIMITES

O queniano Eliud Kipchoge enalteceu o feito de ter concluído os 42,195 quilómetros de uma maratona abaixo das duas horas, considerando que “o ser humano não tem limites”. Esta foi a expressão utilizada pelo recordista mundial na distância e campeão olímpico no Rio 2016, depois de ter concluído o desafio INEOS 1.59, uma corrida não oficial, preparada para este efeito e cuja marca de 1:59.40,2 horas não vai ser reconhecida.
“Sinto-me bem, fazer história era o meu objetivo”, referiu o queniano, recordando o feito do britânico Roger Bannister, que, em 1954, foi o primeiro atleta a correr a milha (1,60934 metros) em menos de quatro minutos.