Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Quenianos com recordes

09 de Outubro, 2014

Houve domínio africano na Maratona de Lisboa com os atletas quenianos a superarem os concorrentes com recordes

Fotografia: AFP

Os atletas quenianos venceram  as duas corridas “Label Or” da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), designadamente a Maratona de Lisboa Rock 'n' Roll EDP e a meia-maratona Rock 'n' Roll Vodafone, disputadas no passado domingo na capital portuguesa.

De acordo com a IAAF, órgão dirigente do atletismo mundial, Samuel Ndungu e Visiline Jepkesho venceram as prova das maratona, respectivamente em 2:08:21 e 22:26:47, tempos recordes nas duas corridas.

Samuel Ndungu obteve a sua vitória após o quilómetro 29, enquanto o seu compatriota Lawrence Kimayo caiu depois de tropeçar numa lebre.
“Estou muito feliz com a vitória aqui em Lisboa. Gostei muito desta corrida num percurso plano e o vencedor fez um bom trabalho”, declarou Ndungu.

Robert Kwambai terminou em segundo lugar muito distante, mais de dois minutos atrás de Ndungu com 2:10:33, enquanto Kimayo, desestabilizado devido à queda, foi o terceiro com 2:12:17, completou  o pódio masculino plenamente queniano nesta maratona.
Em feminino, Visiline Jepkesho soma  duas vitórias para o seu activo em duas maratonas depois de adicionar o título de Lisboa ao vencido em Milão, no início do ano.

Depois de três concorrentes realizarem metade do percurso com o tempo de 1:11:55, Jepkesho foi a única que sofreu menos, durante a segunda metade da corrida e acabou por vencer com dois minutos a menos que o seu tempo realizado na Itália, em Abril passado.
A sua compatriota e favorita antes da corrida, Agnes Kiprop, terminou em segundo lugar em 2:28:35, enquanto a etíope Azalech Masresha ficou em terceiro lugar com 2:29:43.

Iniciada duas horas após a maratona, a meia-maratona esteve confrontada com condições meteorológicas mais difíceis, particularmente por causa do vento. O queniano Stephen Kibet superou o resto do pelotão após 14 km, deixou para trás os seus principais adversários, designadamente o etíope Mosinet Geremew e o ugandês Geofrey Kusuro.

Kibet cruzou o 15° quilómetro em 43:07, 26 segundos perante Geremew, Kusuro e o queniano Alex Oloitipitt classificou-se logo atrás do etíope.
Durante os seis últimos quilómetros, Kibet isolou-se e passou a linha de chegada em 1:01:06, num tempo que podia ser certamente melhor em condições menos ventosas.Geremew ficou em segundo lugar em 1:02:25, Kusuro terceiro com quatro segundos a mais, enquanto que Oloitipitt tomou o quarto lugar em 1:02:36.

Detentor do recorde mundial, o eritreu Zersenay Tadese deixou-se distanciar no 10º quilómetro depois de se manter no pelotão da frente , então, declarou mais tarde que ele teve uma ligeira lesão nas últimas semanas. Ele terminou finalmente em quinto lugar com 1:03:29.
Durante a batalha a mais difícil pela vitória desta jornada, cinco mulheres lideraram a corrida até aos 15º quilómetro, antes de Purity Rionoripo se desmarcar para vencer em 1:11:02 diante da estrela local Sara Moreira, que se prepara para a sua primeira maratona em Nova Iorque.

BREVE
Federação confirma cidades candidatas


A Federação Internacional de Atletismo (IAAF) confirmou quarta-feira as cidades de Barcelona (Espanha), Doha (Qatar) e Eugene (Estados Unidos) como as candidatas a organizar os Mundiais de 2019. A comissão de avaliação da IAAF pode iniciar  a 14 de Outubro em Barcelona o programa de visitas às cidades-candidatas. De seguida, os 26 membros da comissão devem fazer uma visita a Eugene, no Oregon e finalmente terminam com a ida à capital do Qatar, a 30 de Outubro. O conselho da IAAF vai  decidir a 16 de Novembro, no Mónaco, qual a cidade que vai organizar os Mundiais.