Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rafal Majka dá favoritismo a Contador

17 de Julho, 2015

Ciclista polaco acredita que o espanhol Alberto Contador é candidato à vitória no

Fotografia: AFP

Rafal Majka repetiu a fórmula de 2014 para conquistar o seu terceiro triunfo na Volta à França em bicicleta, mas negou que a sua liberdade seja sinal de que Alberto Contador está fora da luta pela camisola amarela. A táctica da Tinkoff-Saxo para a 11.ª etapa fez disparar os alarmes nas equipas concorrentes, que entenderam que a liberdade concedida pelos directores desportivos ao polaco, "rei da montanha" em 2014, significaria uma nova estratégia na equipa.

Terminada a tirada, conquistada a sua primeira vitória da época e a terceira no "Tour de France" em duas participações, foi Rafal Majka quem negou as especulações, defendendo que o líder é, hoje e sempre, o espanhol Alberto Contador.

"Muita gente me perguntou antes do 'Tour' se eu iria defender a camisola da montanha, mas eu estou aqui para ajudar o Contador. A vitória de hoje (quarta-feira) anima a equipa, depois das desistências do Ivan Basso e do Daniele Bennati, a quem dedico este triunfo. O Alberto tem uma boa cabeça e é um grande corredor. Ele luta sempre", disse Rafal Majka, negando que o seu chefe de fila esteja afastado da corrida pela camisola amarela do britânico Chris Froome.

A organização resolveu, outra vez, desperdiçar o potencial do Tourmalet - a famosa contagem de categoria especial apareceu ao quilómetro 147 dos 188 entre Pau e Cauterets-Vallée de Saint-Savin, já depois de ultrapassado outro dos pontos mais duros, o Col d'Aspin - e, como era esperado, o grupo de candidatos aproveitou a 11.ª etapa para recuperar as energias despendidas na véspera.

Depois de várias tentativas, a fuga certa formou-se ao quilómetro 76. Rafal Majka e Thomas Voeckler (Europcar) deram o primeiro sinal, Serge Pauwels (MTN-Qhubeka), Steve Morabito (FDJ) e Emmanuel Buchmann (Bora-Argon 18) juntaram-se-lhes. Primeiro a cinco, depois a sete, já com Julien Simon (Cofidis) e Arnaud Démare (FDJ), os fugitivos galgaram quilómetros, até que, no sopé do Tourmalet, o polaco quebrou.

Sem vitórias esta temporada, Rafal Majka precisava de reencontrar-se e que sítio melhor para fazê-lo do que a Volta a França, a prova em que foi "rei" da montanha e venceu duas etapas no ano passado. E lá foi, montanha acima, descida abaixo, isolado, até Cauterets-Vallée de Saint-Savin, onde se ergueu na bicicleta e, apontando para o logo da Saxo Bank, a segunda patrocinadora da equipa, comemorou o seu terceiro triunfo "francês", com o tempo de 5h02,01.

"Não escolhi esta etapa, mas sabia que era muito dura. É o Tourmalet, não é fácil. Estava muito calor e eu gosto deste tempo assim. Hoje, os meus companheiros incentivaram-me a ir para a fuga, estou tão feliz", assumiu o jovem de 25 anos.


Seis atletas cubanos abandonam a delegação

Seis atletas cubanos abandonaram a delegação do país nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá.

Quatro remadores tiveram os nomes confirmados pelo técnico Juan Carlos Reyes e dois dos saltos ornamentais não foram identificados.

De acordo com Carlos Reyes, Liosmel Ramos, Wilber Turro, Manuel Suárez e Orlando Sotolongo fugiram para os Estados Unidos. Eles deixaram a sede da modalidade em St. Catharines, na província de Ontario, que fica próxima da fronteira. O treinador disse que Liosmel Ramos e Wilber Turro abandonaram a delegação antes do início das regatas do último sábado. Manuel Suárez e Orlando Sotolongo chegaram a disputar as suas provas e depois abandonaram o local da concentração.

Orlando Sotolongo ainda garantiu a medalha de prata como integrante da equipa de quádruplo skiff. Os quatro desertores mantiveram contacto com os companheiros de equipa por meio das redes sociais.

O "site" oficial de Cuba, o CubaSí, foi quem deu a informação dos outros dois atletas dos saltos ornamentais. Ao comentar a participação do país na modalidade, escreveu: "Estamos inconformados de sofrer a estocada mortal de dois desertores." O texto, no entanto, não cita o nome dos atletas e também não diz como e quando abandonaram a delegação.

Os responsáveis pela organização dos Jogos Pan-Americanos de Toronto desconhecem a fuga dos atletas de Cuba.


Basso operado a um cancro

O italiano Ivan Basso foi operado "com êxito" a um cancro nos testículos, informou o hospital de Milão onde decorreu a cirurgia ao ciclista, que abandonou a Volta à França.

"Ivan Basso foi hoje (quarta-feira) submetido a uma intervenção cirúrgica de remoção do testículo esquerdo devido à presença de um tumor", lê-se no comunicado do hospital, que acrescenta que a operação "foi concluída com êxito e o paciente já está em óptimas condições gerais” e tinha previsão de alta para ontem. Após conhecidos os resultados das análises feitas ao tumor "será possível estabelecer se é necessário ou não um tratamento adicional". "O prognóstico a longo prazo neste tipo de tumor nos testículos é excelente".acrescenta o hospital