Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Red Bull aposta nas vitórias

29 de Dezembro, 2015

Daniel Ricciardo ressalta que deve demorar mais um pouco para que a Red Bull lute por vitórias na F1

Fotografia: AFP

Depois de vencer três corridas e terminar 2014 em terceiro lugar, no Campeonato de Construtores, o ano de 2015 foi uma decepção para Red Bull. Daniel Ricciardo assegurou, que a época passada foi um "choque com a realidade," necessário para que a equipa começasse a reinventar-se.

Vítima de uma Red Bull problemática, e de um lento motor Renault, o australiano não esteve perto dos resultados de outrora, mas isso não o impede de sonhar com uma recuperação da equipa.

"Os seis primeiros meses do ano foram um choque com a realidade para todos nós. Precisávamos encontrar alternativa, outra coisa, ou continuar a trabalhar duro”, recordou Ricciardo, em entrevista ao ‘Motorsport.com’.

O australiano ressaltou que "foi bom passar por isso como piloto, e experimentar algumas dificuldades, depois dos pontos altos". Como uma equipa, pensa que "foi uma grande reviravolta" que lhes podia deitar abaixo. Com esforço de todos, "o carro ganhou vida na segunda metade do ano". “Foi impressionante como todos mantiveram-se inteiros.

Isso fez-nos mais forte e quando tivermos o equipamento completo, vamos suplantar”, exaltou. O australiano admite, que 2016, vai ser outro ano sem grandes resultados. A equipa, agora com motor TAG Heuer - nada mais do que o Renault de 2015, mas rebaptizado –, tenta construir as bases para mais vitórias.

“É difícil, falar do próximo ano, para ser honesto. As coisas devem melhorar, mas para chegar ao nível da Mercedes, provavelmente, vamos precisar de esperar até 2017. Mas nunca se sabe”, apontou. Mesmo sem levantar às expectativas, Ricciardo não descarta uma surpresa em 2016, se as coisas derem certo.

“Nunca se sabe o que pode acontecer. Neste ano, quase conseguimos uma ou duas vitórias, então nunca se sabe. Mas não vamos criar muitas expectativas por agora”, contou.

Do jeito que a equipa melhorou numa época, "a equipa pode ter melhorias". Ricciardo realçou que "uma pré -época pode render num bom avanço e os outros precisam de ficar atentos em circuitos com muitas curvas".

COMPRA DA LOTUS
Renault paga
uma libra


A Renault adquiriu 90 por cento da Lotus, no início do mês, num negócio de £1 (uma libra), de acordo com os documentos recém - apresentados pela fabricante. As informações foram publicadas pelo ‘The Telegraph’.

A compra da equipa de Enstone foi concluída pouco antes do Natal, o que fez com que a fabricante francesa voltasse a ter equipa própria na F1, pela primeira vez desde 2009. A fabricante da marca do losango tinha deixado o Mundial por conta do chamado “Crashgate”, o escândalo do acidente propositado de Nelsinho Piquet, no Grande Prémio de Singapura, em 2008.

Em seguida, o grupo Genii Capital, comandado por Eric Lux, fechou o negócio para adquirir as instalações em Enstone e ficar com a equipa. A Renault vendeu-a em 2009 à empresa de Lux, e perdeu no negócio, aproximadamente 166 milhões de dólares norte-americanos. Desde então, a equipa passou a chamar-se Lotus e conseguiu certo brilho na F1, especialmente entre as épocas de 2012 e 2013 quando venceu corridas com Kimi Raikkonen.

Depois disso, passou a ter muitas dívidas e precisou de um plano agressivo de corte de custos em 2014, para permanecer na grelha. Contas recentes da equipa revelaram que no ano passado, a receita da equipa aumentou em 23,7 por cento, devido ao patrocínio da empresa petrolífera venezuelana PDVSA, e também à redução drástica nos gastos. Mas só isso não foi suficiente para garantir a saúde financeira da equipa.

Neste ano, a Lotus enfrentou problemas financeiros diversos: chegou a ser impedida de usar as instalações no Japão por falta de pagamentos e foi ao tribunal por causa das dívidas. A Renault veio como solução, mas a Genii ainda manteve 10 por cento de participação na equipa.

"Houve uma queda dramática nos custos de financiamento, assim como na redução dos gastos que foi o resultado da reestruturação organizacional que fizemos em Fevereiro de 2014", disse Lux. O executivo também revelou, que a equipa está em processo de discussão com muitas partes para "um acordo de patrocínios de longo prazo".