Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Red Bull com motores Renault sem marca

04 de Novembro, 2015

Red Bull equaciona hipótese de usar motores sem marca para ficar na Fórmula1 com o fito de voltar a manter a hegemonia

Fotografia: AFP

A novela a envolver a Red Bull e a sua fornecedora de motores para a temporada 2016, pode estar próxima de um desfecho. Conforme o site Motorsport.com, a equipa pode  utilizar as unidades de potência da Renault, mas sem marca, para seguir no Mundial de Fórmula 1.A medida veio após as negativas da Mercedes e da Ferrari, que recusaram-se em fornecer motores para uma equipa considerada perigosa, como a Red Bull.

A equipa ainda chegou a iniciar conversas com a Honda, mas a McLaren interviu e exigiu exclusividade.Durante a temporada 2015, a Red Bull insurgiu-se contra o desempenho dos motores V6 da Renault, alegando falta de potência e competitividade em relação às principais concorrentes, ou seja, Mercedes e Ferrari. Por isso, a expectativa é que a parceria não vai sobreviver na forma como é a actual para o ano que vem.

No entanto, de acordo com o Motorsport.com, as fontes revelaram que o presidente da fabricante francesa, Carlos Ghosn, está a considerar uma proposta para vender motores sem marca para a Red Bull, em 2015, numa tentativa de manter a equipa na F1. A decisão pode ser anunciada nesta semana.Questionado no último final de semana, no México, se a Renault era a única opção, o chefe da Red Bull, Christian Horner, sugeriu um plano alternativo como os motores sem marca à disposição.

“Não há várias opções, mas pode haver alguma outra coisa”, revelou o britânico, explicando a impossibilidade de a Honda ser a fornecedora para 2016.“A Honda está muito interessada, mas infelizmente eles têm uma situação contratual com a McLaren. Não tem nada a ver com a gente. Eles têm que decidir o que querem fazer. Não falei com ninguém da McLaren a não ser com Ron Dennis, que é a única pessoa que tem o direito de dizer não. E os seus pontos de vista foram bem claros”, finalizou Horner.