Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Red Bull rejeita motores de Ferrari e Mercedes

05 de Julho, 2014

A Red Bull não está satisfeita com o desempenho actual da Renault.

Fotografia: AFP

"A Ferrari e a Mercedes têm suas próprias equipas, então, em que lugar você fica  se for cliente, dado que a relação que temos com a Renault-Nissan, quando funciona, funciona extremamente bem" declarou Horner durante um evento da Red Bull antes do GP da Inglaterra.

Horner continuou a explicar os motivos por que não quer as peças dos rivais: "Eu ia ficar muito surpreso se a Mercedes estivesse preparada para nos dar um motor. A Ferrari tem um programa de consumidor, mas nós queremos trabalhar como um parceiro no desenvolvimento. Isso a longo prazo oferece-nos  mais chances de sucesso".

O director acredita que as regras da temporada actual atrapalharam o desenvolvimento da montadora francesa. "O problema é que houve uma grande mudança no regulamento, obviamente, a Renault errou o alvo. Mas eles têm trabalhado muito para os alcançar", analisou.

Apesar dos problemas, Horner exaltou a parceria com os franceses: "Nós tivemos muito sucesso com a Renault. Vencemos cerca de 50 corridas e quatro campeonatos mundiais durante os últimos oitos anos, então ninguém está a desistir ou coisa do género. Só que onde eles estão neste momento, não está certo".


Raikkonen anuncia aposentação

Kimi Raikkonen planeia fechar o ciclo no Campeonato do Mundo de Fórmula 1 quando o contrato que o liga à Ferrari terminar.

Quando foi confrontado com os seus planos para o futuro, o piloto afirmou que o mais provável é deixar de correr na Fórmula 1.

“Fico até o meu contrato terminar e depois o mais provável é parar. Penso que é isso que vai acontecer”, confessou Raikkonen.

O piloto da Ferrari, que termina o contrato com a marca italiana este ano, não confirma, no entanto, o abandono do desporto automóvel. Raikkonen aponta a impossibilidade de conciliar vários escalões como a principal razão pela qual deve abandonar a Fórmula 1 .

“As equipas têm medo de que nos magoemos. Eu já experimentei várias provas e não vejo perigo nenhum em conciliar, acho que até nos pode ajudar. Aprendemos sempre a fazer coisas diferentes”, afirmou o piloto.Kimi Raikkonen venceu por uma vez o título de campeão e é, desde a sua contratação pela Ferrari, o piloto mais bem pago de sempre. 

Kimi começou a sua carreira na Fórmula 1 em 2001 e teve uma breve passagem pela competição de rali entre 2010 e 2012.Desde que regressou à Fórmula 1 Raikkonen ainda não  conquistou bons resultados. Após duas boas épocas com a Lotus, em 2012 e 2013, Kimi Raikkonen, de 34 anos, assinou um    contrato de dois anos com a Ferrari, para substituir o brasileiro Felipe Massa.

Até ao momento, dois sétimos lugares foram os melhores resultados conquistados por Raikkonen nesta  época.

Raikkonen ocupa a 12ª posição do campeonato do Mundo de pilotos, a oito lugares e 60 pontos do seu companheiro de equipa Fernando Alonso, que o substituiu na Ferrari, em 2009.


CHEFE COMERCIAL
Donos da Fórmula 1 podem afastar Ecclestone


Os donos da Fórmula 1, o CVC Capital Partners, devem afastar de vez Bernie Ecclestone do comando da principal categoria do automobilismo mundial.
Segundo uma reportagem do jornal inglês "The Guardian", o dirigente  está com os dias contados ainda que  vença a batalha judicial que enfrenta na Alemanha.

De acordo com o periódico inglês, os chefes do CVC querem vender parte das ações da F-1 que controlam, mas entendem que a desgastada imagem de Ecclestone vai atrapalhar nas  negociações.

Desde o começo deste ano, Ecclestone tem sido julgado na Alemanha por ter subornado o banqueiro Gerhard Gribkowsky na negociação que terminou na compra das acções da F-1 pelo CVC. Ecclestone nega envolvimento no caso e afirma que foi chantageado pelo banqueiro.

Além dos problemas judiciais, o CVC diz que Ecclestone não consegue promover a categoria. Como exemplo, o "The Guardian" cita que a F-1 não tem um departamento de marketing, apesar de ter rendimentos na ordem dos oito mil milhões de dólares. A queda da audiência na TV e a recusa de adesão às novas tecnologias é outro motivo.

Sobre o futuro mandatário da F-1, a publicação afirma desconhecer a identidade, mas deixa claro que não é Christian Horner, chefe de equipa da Red Bull.


Em Silvestrone
Ricciardo
quer melhorar


O terceiro classificado no Mundial de Pilotos da F-1, Daniel Ricciardo, espera que a sua equipa, a Red Bull, melhore no GP da Grã-Bretanha este domingo.

 Ricciardo relatou os problemas que a equipa sofreu na prova na Áustria, mas afirmou que eles já foram identificados.

“Eu espero melhorar. Na Áustria nós não fomos bem, perdemos muito tempo nas rectas e não tivemos uma grande performance  nas curvas de alta. Acho que já identificamos os problemas”, declarou o piloto.

Além dos problemas nas rectas e nas curvas de alta, Ricciardo acredita que o clima austríaco influienciou no mau desempenho: “As temperaturas mudaram completamente de sexta para domingo, acho que isso atrapalhou. Aprendemos bastante com isso.”

Sobre a próxima corrida, Ricciardo diz que a Red Bull vai superar  a maioria dos rivais no circuito de Silverstone. “Se tudo ocorrer bem, acho que podemos ficar apenas atrás das Mercedes, ficando apenas dois décimos ou três décimos atrás deles”, concluiu Ricciardo.