Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Regresso de Arganil marca arranque da prova

01 de Junho, 2019

O piloto de Gap vai, por isso, ser o primeiro a ir para a estrada

Fotografia: AFP

O regresso dos troços de Arganil, Góis e Lousã ao itinerário do Rali de Portugal marcou ontem o arranque da prova, sétima etapa do Campeonato do Mundo, liderado pelo francês Sébastien Ogier (Citroën C3).
O piloto de Gap vai, por isso, ser o primeiro a ir para a estrada, às 9:48 horas, para enfrentar os 12,35 quilómetros da Lousã.
Seguem-se os 18,78 quilómetros de Góis, a partir das 10:32 horas, antes do mítico troço de Arganil, com 14,44 quilómetros, a partir das 11:20 horas.
Ogier defende os 10 pontos de vantagem que trouxe do Chile face ao estónio Ott Tanak (Toyota Yaris) e os 12 para o belga Thierry Neuville (Hyundai i20), vencedor em 2018.
O belga sofreu um violento acidente na prova sul-americana e chega a Portugal ainda combalido.
Ogier, que já venceu em solo luso em 2010, 2011, 2013, 2014 e 2017, parte, mais uma vez, como favorito e é sério candidato a destacar-se no historial do Rali de Portugal, depois de ter igualado o registo do finlandês Markku Alen, que também tem cinco triunfos.
A edição de 2019 do Rali de Portugal vai ter 306,97 quilómetros cronometrados, divididos por 18 classificativas, entre as quais a super especial de Lousada, de 3,36 quilómetros a percorrer no final deste primeiro dia, a partir das 19:03 horas.
No sábado, a prova segue para o Marão, com dupla passagem por Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto e Amarante, onde se disputa o troço mais longo do rali, com 37,60 quilómetros.