Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Renault inicia processo de compra da Lotus

29 de Setembro, 2015

A Renault, que actualmente fornece os motores para a equipa Red Bull, também indicou que vai trabalhar com a Gravity

Fotografia: AFP

A Renault anunciou ontem, que abriu o processo de compra da Lotus, a primeira etapa para o regresso do grupo francês com a própria equipa na principal categoria do automobilismo mundial em 2016. A Renault e a Gravity Motorsports, que proprietária da equipa, assinaram uma "carta de intenções sobre a aquisição potencial por parte da Renault de uma participação maioritária no capital da Lotus F1 Team", afirma a montadora francesa em comunicado.

"A assinatura desta carta de intenções, representa o primeiro passo para o projecto de uma equipa Renault na Fórmula 1 em 2016, continua assim com 38 anos de compromisso da marca no desporto", afirma a nota.

A Renault, que actualmente fornece os motores para a equipa Red Bull, também indicou que vai trabalhar com a Gravity Motorsports "nas próximas semanas para transformar esta carta de intenções em acordo definitivo".

ALONSO  E BUTTON
CONTRA  MCLAREN


As dificuldades, nesta primeira temporada de parceria da McLaren com a Honda, em que utiliza a tecnologia das unidades de potência V6 turbo híbridas, tem gerado vários momentos decepcionantes para a equipa britânica - e sua estrelada dupla de pilotos, formada pelos campeões, Fernando Alonso e Jenson Button.

Mas também tem resultado em momentos de hilaridade na rádio. Frustrados com os problemas, os pilotos não pouparam os engenheiros nas 14 primeiras etapas do campeonato. A última mensagem "raivosa" foi de Alonso, a chamar a Honda de "motor de GP2", ao referir-se à categoria de acesso à Fórmula 1.

O espanhol depois relativizou a declaração. "Quando estamos a lutar no meio do pelotão, todos queremos vencer, às vezes algumas mensagens de rádio que deviam ser privadas são transmitidas. Ninguém devia ter dúvida nenhuma de que eu tenho três anos com a McLaren e minha carreira na F-1 vai terminar com essa equipa, tomara que fosse a ganhar tudo."

Button também admitiu a irritação com a falta de competitividade após o GP do Japão. "É como se eu fosse um samurai sem a espada e armadura", comparou.

REALISMO
Vettel descarta luta pelo título


O alemão Sebastian Vettel chegou ao Japão, embalado pela vitória no GP de Singapura, mas não exibiu optimismo depois dos treinos livres desta sexta-feira ,no circuito de Suzuka. Após ser o quinto colocado nas actividades, a 1s9991 do piloto mais rápido, o russo Daniil Kvyat, da Red Bull, avaliou que o carro da Ferrari não apresentou o desempenho esperado, embora seja difícil realizar uma avaliação precisa em razão da chuva.

"Com as condições, não sendo consistentes, não é tão fácil de comparar o seu carro com o carro dos outros pilotos. Em geral, no início eu acho que nós não estávamos onde queríamos estar, mas talvez no final, aprendemos algumas lições. Agora vamos ver como o tempo vai estar nos próximos dois dias", disse Vettel.

O alemão também lamentou as condições adversas, em que foram disputados os treinos livres, desta sexta - feira. "Nós tentamos fazer algumas voltas, mas não foi muito fácil, porque às vezes tinha muita água na pista. Nestas condições, depende muito do piloto, se ele quer continuar ou não, sentindo os pneus e as condições", explicou.

Após o terceiro lugar no GP do Japão, Vettel diminuiu a vantagem do britânico  Lewis Hamilton, o líder do Mundial de Pilotos, para 49 pontos. Ainda assim, o alemão não se vê como um candidato ao título. "É claro que é melhor estar mais perto, do que longe, mas ainda há uma enorme diferença. Ainda há cinco corridas pela frente e, como eu disse antes, todos os domingos significam uma nova oportunidade, mas acho que é errado falar sobre o campeonato neste momento", comentou.