Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Renault quer maior reconhecimento

09 de Março, 2013

Fornecedora de motores lamenta relação fria com a Red Bull

Fotografia: AFP

A Renault, fornecedora dos motores da tricampeã Red Bull Racing, acredita que poderia ter maior reconhecimento pelos títulos mundiais de Fórmula 1.
Para o responsável da empresa, Carlos Tavares, o facto deve-se ao fraco “marketing” para promover os resultados. “Nós somos campeões do Mundo. Vencemos adversários como a Ferrari e a Mercedes e conseguimos vender os nossos motores às equipas por causa disso. Mas estamos frustrados por não termos maior reconhecimento”, diz Carlos Tavares, em entrevista ao “site” da revista inglesa Autosport. “Parte do nosso problema está na nossa equipa de ‘marketing’ global. Está claro que precisamos de dar maior repercussão ao que estamos a fazer”, acrescenta.

Apesar disso, o dirigente garante estar satisfeito com as relações estabelecidas com clientes como a Caterham, Williams e Lotus. “O relacionamento com todas as nossas equipas é bom, até mesmo emocionalmente. O próprio Frank Williams respeita a Renault, não apenas pelos campeonatos por nós vencidos no passado, mas também pela sua humildade e personalidade.

Com a Lotus, temos laços históricos, enquanto a Caterham é nossa parceira em projectos nos campeonatos de resistância”, disse. No entanto, a Red Bull Racing não possui tanta proximidade com o construtor francês, apesar do tri-campeonato que conquistaram. “Essas três equipas têm uma ligação histórica com a Renault e isso conta muito. Talvez um dia possamos chegar a esse mesmo ponto com a Red Bull”, concluiu. A Renault teve uma equipa na Fórmula 1 entre 1977 e 1985 e 2002 e 2011.


Marussia
Jules Bianchi
projecta época


O francês Jules Bianchi não faz prognósticos para a primeira prova da temporada, o Grande Prémio da Austrália, marcado para 17 de Março. O piloto foi a última e inesperada contratação da Fórmula 1. A equipa Marussia-Cosworth já havia anunciado o brasileiro Luiz Razia, mas voltou atrás. “Obviamente, estamos sempre a pilotar para sermos rápidos, mas não é apenas para bater o seu companheiro de equipa no campeonato, mas para melhorar o carro e superar as outras equipas. Nós estamos a tentar fazer o nosso melhor”, declarou. Jules Bianchi, antes de assinar com a Marussia-Cosworth, fez alguns testes pela Force India-Mercedes, onde tinha esperanças de correr na temporada de 2013.

Em comparação com os dois carros, o piloto disse que a actual equipa precisa de melhorar e projectou trabalhar para isso ao longo do ano.
“Estamos a tentar melhorar, mas precisamos de tempo antes de Melbourne. Talvez vai ser um pouco apertado, porém, durante o campeonato, tenho a certeza que vamos melhorar muito”, afirmou Jules Bianchi.