Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Renault regressa à grelha

25 de Dezembro, 2015

Equipa francesa sagrou-se campeão mundial com Fernando Alonso

Fotografia: AFP

A Renault vai voltar como equipa da Fórmula 1 com um orçamento capaz de lutar com as grandes Mercedes e Ferrari, apesar dos objectivos para 2016 serem humildes. A promessa é do director administrativo, Cyril Abiteboul, dias depois da fabricante francesa ter anunciado a compra definitiva da equipa Lotus e o seu regresso como construtora a partir da próxima época.

"Existe um plano de negócio muito bom, muito robusto, pelo menos inicialmente, para fazer o trabalho que temos de fazer. Temos um prazo de três anos que foi comunicado por Carlos Ghosn, presidente da Renault, e precisamos ser pragmáticos", salientou Abiteboul. Abiteboul lembra que a Renault teve sucesso na última vez em que deu nome a uma equipa na Fórmula 1, com o bicampeonato conquistado em 2005 e 2006.


"Já tivemos sucesso no passado e, do ponto de vista do marketing e a conexão entre a Fórmula 1 e o resto de nosso negócio, nunca estivemos mais fortes. Então, o que não pode esperar é a capacidade da Renault tornar o que pudermos fazer na pista em algo tangível em termos de marketing para a marca. Isso é muito importante para nos dar estabilidade para que possamos ter a capacidade. E isso inclui o financeiro, para nos tornar grandes", salientou.

Para o ano que vem, Abiteboul é cauteloso e reconhece que fechar o negócio em Dezembro não ajuda no planeamento para a época. Com isso, evita fazer previsões, "mas há muito mais que precisamos ter no ano que vem do que apenas pontos no campeonato".

“Na minha opinião, o próximo ano não vai ser bem-sucedido apenas se conseguirmos andar bem. Existem muitas coisas que queremos fazer bem no próximo ano, a começar pela estrutura, o modo de integrar as pessoas, a organização, o ajustamento das ligações entre as duas entidades, a cultura e como vão resolver o motor", disse.

O responsável considerou: “Queremos um motor que seja completamente confiável no começo da época, no primeiro teste. Queremos dar passos substanciais. A meta para o próximo ano não tem a ver apenas como somar pontos no campeonato. Precisamos ser humildes nas nossas expectativas".

Apesar das grandes dificuldades financeiras no seu último ano de existência, a Lotus chegou ao pódio com Romain Grosjean no GP da Bélgica. A equipa fechou o ano com o sexto lugar entre as equipas. Em 2016, a Renault vai contar com Pastor Maldonado e Jolyon Palmer nos seus carros, se os contratos da Lotus forem honrados, o que ainda não é certo. A expectativa é de deixar para trás os fracos anos de 2014 e 2015, muitabaixo do que a equipa apresentou em 2012 e 2013.