Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Restos mortais de velejador aguardam pela autorizao

lvaro Alexandre - 10 de Janeiro, 2014

o velejador Antnio Bartolomeu, falecido domingo ltimo, vtima de um acidente com a embarcao Bille

Fotografia: Jornal dos Desportos

As autoridades da saúde, justiça e dos serviços migratórios da África do Sul ainda não emitiram o certificado que permite a transladação dos restos mortais de António Bartolomeu da cidade de Cape Town para Luanda.

O presidente da Comissão Executiva da Angola Cables, António Nunes, disse que aguarda a conclusão dos trâmites legais para se realizar o funeral do atleta que representou durante muitos anos a vela do Clube Naval de Luanda.

“Estamos em contacto permanente com o Consulado de Angola na Cidade do Cabo. Não dispomos de informações sobre a data exacta da realização do funeral. O Clube Naval de Luanda está preparado para acolher e prestar apoio a todos os que se sentirem com dever de prestar uma singela homenagem ao malogrado”, referiu.

O estado de saúde de Alexandre Correia da Silva “Tita”, capitão da embarcação Bille, do Team Angola Cables, que foi destruída pelos fortes ventos no percurso da regata transatlântica Cidade do Cabo/Rio de Janeiro,  inspiram cuidados especiais.

Segundo informações colhidas junto da equipa médica que está a prestar assistência aos angolanos, o capitão Tita pode permanecer mais cinco semanas na África do Sul, para se recompor.

Nas próximas 24 horas são libertados pelos serviços de saúde do Cabo os velejadores Rui Sancho e Filipe Luvambo. Os dois atletas apresentam um quadro de recuperação satisfatório.

Dentro do quadro de melhoria e para satisfação dos familiares, a direcção da clínica autorizou anteontem a suspensão de permanência na unidade hospitalar dos velejadores António Manuel “Jean Pierre”, Matias Moutinho e Luís Gasparinho da Silva.

António Nunes assegurou que a embarcação angolana Mussulo III continua firme na prova. As previsões indicam que até hoje os “sobreviventes” da regata transatlântica, Mussulo, estão entre as dez primeiras embarcações da prova.