Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ricciardo é o mais rápido do dia

22 de Fevereiro, 2015

Daniel Ricciardo quer que os italianos aqueçam a luta pela segunda posição entre Construtores

Fotografia: AFP

O  segundo dia de testes colectivos de pré-época, em Barcelona, ficou marcado com a velocidade de Daniel Ricciardo. O jovem piloto da Red Bull foi o mais rápido no circuito de Montmeló e ficou a dez milésimos de segundo de Kimi Raikkonen, da Ferrari. A curta vantagem é um recado a abertura da época no dia 15 de Março, no Grande Prémio da Austrália.

O australiano Daniel Ricciardo foi também o piloto que mais voltas cumpriu, num total de 143, e foi o melhor índice recolhido pela equipa de Chris Horner.

À três semanas do início do Campeonato Mundial de 2015, as equipas estão muito mais interessadas em “fazer quilómetros”, testar os sistemas e procurar a fiabilidade. A folha de tempos é apenas indicativa, mais ainda quando as condições (tipo de pneus e quantidade de combustível no depósito) são muito diversas.

Ontem, a Mercedes utilizou os dois pilotos, ambos com limitações físicas. A McLaren/Honda, com Fernando Alonso ao volante, assinou 59 voltas no circuito de Montmeló e foi o melhor registo na pré-época.

OLHO ABERTO
PARA FERRARI

A aparente melhoria da Ferrari não passou despercebida aos adversários mais próximos. Felipe Massa, Nico Rosberg e Daniel Ricciardo destacaram o desempenho da equipa italiana, que se mostra mais forte na luta pelos pódios na época'2015.

Em 2014, pela primeira vez desde 1993, a Ferrari passou o ano inteiro sem vencer. A equipa ficou na quarta posição do Mundial de Construtores e teve Fernando Alonso em sexto lugar, no Mundial de Pilotos. Até ao momento, a equipa andou sempre nas primeiras posições nos testes de pré-época.

“A Ferrari é a equipa com quem lutou no ano passado. Então, temos de ficar de olhos abertos e pode ser uma ameaça”, admitiu Felipe Massa, da Williams, equipa que fechou a época passada do Mundial de Construtores em terceiro lugar.

O brasileiro ressaltou que a equipa de Franck Williams tem de trabalhar da melhor maneira possível e “se não fizer um trabalho perfeito, a oportunidade é de estar atrás não só da Ferrari, como da Red Bull e outras equipas também”. Para Nico Rosberg, passada a metade da pré-época, a impressão é de que a concorrência “elevou o nível”, mas ninguém o fez tanto quanto a Ferrari.  “Os tempos de volta são surpreendentes e parece que a Ferrari deu o maior passo de momento”, comentou o alemão.

Daniel Ricciardo, da Red Bull, pensa que os italianos devem aquecer a luta pela segunda posição entre os Construtores. “Vai ser bem próximo para nós contra a Williams e a Ferrari. A Ferrari já parecia forte em Jerez e todos parecemos estar num ritmo similar”, disse o australiano.


Cúpula rejeita
revolução nas regras


Uma série de mudanças nas regras e nos carros de Fórmula 1, não devem acontecer até pelo menos 2017. Na passada quinta-feira, uma comissão formada por representantes das equipas, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA), e a FOM (detentora dos direitos comerciais da categoria), reuniram-se em Genebra, na Suíça, com o intuito de discutir alterações ao regulamento para 2016.

No entanto, a maioria votou contra e os carros mais largos e potentes, pneus maiores e chassis diferentes não devem ser as novidades do ano que vem. As informações são da revista Autosport.

Na reunião, as equipas acabaram divididas em termos de opinião. Umas manifestaram o desejo de que as novas regras fossem inseridas já no regulamento de 2016, enquanto outras preferem esperar até 2017, quando os motores de 1.000 cavalos de potência e uma nova fornecedora de pneus pudesse acompanhar as mudanças. A maioria foi contra uma “revolução”, que deve ocorrer daqui a dois anos.

Assim, o regulamento de 2016 dificilmente vai sofrer grandes alterações, já que depois do dia 1 de Março, as alterações estudadas devem ser aceites por unanimidade, o que é improvável ocorrer na Fórmula 1 actual.