Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rivais surpreendem Williams

29 de Março, 2016

Superada pela Red Bull e pela Toro Rosso a equipa deseja ser quinta força

Fotografia: AFP

A Williams começou a temporada de 2016 na expectativa de manter o posto de terceira grande força do campeonato. A performance do GP de abertura na Austrália acendeu o alerta na equipa de Felipe Massa e Valtteri Bottas: superada pela Red Bull na corrida e pela Toro Rosso na classificação, a equipa vê-se a quinta força e não esconde a surpresa especialmente com a nova rival.

"Quando fazemos uma avaliação de carros baseamo-nos numa margem de erro, porque não temos os dados perfeitos e acabamos por subestimar a Toro Rosso", reconheceu Pat Symonds que é o director técnico da Williams. É a equipa que realmente surpreendeu, os outros estão alinhados com as previsões que fizemos."

Tanto que além de reconhecer que a Williams não está ao nível da Red Bull, Symonds avalia que a equipa também está atrás da equipa de Max Verstappen e Carlos Sainz. "No momento, a ordem provavelmente tem a Toro Rosso, nós, e a Force India."A força demonstrada pela Toro Rosso também surpreendeu a própria Red Bull, que está a usar motores Renault.

"Dá para ver que é um carro rápido numa volta", avaliou o chefe da Red Bull, Chrstian Horner. "Lewis Hamilton não conseguia passar a Toro Rosso nem na recta, e ele passou-nos com mais facilidade. Dá para ver que têm um carro competitivo e esperamos que sejam rápidos na primeira parte da temporada antes dos upgrades começarem a chegar."

Horner refere-se  às novidades que vão ser introduzidas ao longo do ano nos motores, às quais a Toro Rosso não deve ter acesso devido à natureza do acordo com a Ferrari, que prevê a venda de motores de 2015.Após a surpresa de Melbourne, Symonds acredita que a próxima etapa no Bahrein no dia 3 de Abril vai dar um quadro mais representativo da relação de forças e espera que as novidades que a Williams  introduza no carro ajudem a melhorar o quadro.

"Veremos como as coisas ficarão numa pista diferente. Estou impaciente para ver o que podemos fazer na próxima corrida, quando chegarão as peças novas. Espero que o pacote aerodinâmico traga resultados que prevemos."Acredita-se que a equipa leve um novo bico, com o qual espera ter um ganho significativo, no Bahrein. Nesse caso, a novidade ficava com Massa, uma vez que o brasileiro está à frente de Bottas no campeonato.

Convicção
Button acredita nas suas qualidades


Sem contrato para 2017 e com renovação por uma temporada nos últimos anos com a McLaren, Jenson Button já começou a "campanha eleitoral" para seguir na equipa inglesa. O piloto afirmou que vê-se como um “pacote completo” ao disputar o 17º campeonato na Fórmula 1."Se você não pode ser uma pessoa diferente fora do carro, é uma fraqueza", disse à Sky Sports. "Pessoalmente sinto que quando você entra no carro, você é uma pessoa. Você dá tudo de si e sinto que não há ninguém melhor do que eu para fazer isso durante um final de semana de corrida.

Quando você está fora do carro, tem de ter uma personalidade diferente ou os patrocinadores não trabalham com você e a sua carreira é muito curta, não importa o quão bom você é na pista." Para Button, a necessidade de ser profissional forte dentro e fora das pistas é ainda maior hoje em dia, devido à dificuldade de encontrar patrocinadores.

"Você precisa ser o pacote completo e é algo em que trabalha ao longo do tempo e que os pessoas novas têm de aprender rapidamente pela maneira como a coisa funciona. Ficaria surpreso se alguém que chega com 18 anos no desporto tivesse uma carreira de 17 anos hoje porque o mundo mudou", defendeu o campeão de 2009. "Não é o lugar mais fácil para as equipas encontrarem patrocinadores. Eles precisam de pilotos que não sejam apenas rápidos no circuito, mas também são bons em público, confiante e alguém com quem as pessoas se identificam."