Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rivalidade incendeia a Mercedes

01 de Março, 2016

Lewis Hamilton e Nico Rosberg discutiram-se pouco sobre o desenvolvimento do novo carro

Fotografia: AFP

A época de 2016 começa dentro de três semanas e as emoções agitam os cockpites. Na Mercedes, Lewis Hamilton e Nico Rosberg estão unidos pela diferença. O tricampeão revelou que mantém uma relação confortável com o colega de equipa, apesar de não ter conversado com o alemão sobre o desenvolvimento do novo W07, o modelo da Mercedes para 2016.

A Mercedes dividiu os trabalhos durante os testes colectivos realizados em Espanha. Hamilton e Rosberg testaram o W07, em períodos diferentes, nos últimos dois dias. A dupla acumulou mais de três mil quilómetros e o carro não apresentou problemas, o que assusta a concorrência.Em declarações à imprensa, após os primeiros testes colectivos, Lewis Hamilton disse que estiveram juntos nas reuniões, cada um no seu aposento, mas não conversaram e não discutiram sobre nada.

"Fiquei a observar o trabalho dele na garagem e ouvi os comentários sobre o carro enquanto falava com os engenheiros. Não há nada muito mais a fazer do que isso. De qualquer forma, temos uma boa relação de trabalho nesse sentido", completou.Sobre a rivalidade com o companheiro de Mercedes nas pistas, Hamilton afirmou que a disputa entre ambos existe e “é real”, mas é mais exagerada aos olhos do público. "A rivalidade está presente, mas é um pequeno incêndio que todo o mundo joga gasolina para torná-lo maior. E aí, Nico e eu também jogamos ainda que involuntariamente, dependendo de quem está à frente. Por isso, é uma rivalidade real, uma verdadeira disputa", disse o tricampeão.

DISPUTA APERTADA
DENTRO DA FERRARI

Próximo do início da época'2016, Sebastian Vettel saiu em defesa de Kimi Raikkonen. Na visão do alemão da F1, a disputa interna na Ferrari foi apertada no ano passado, assim como vai ser neste ano.No Mundial passado, Vettel acumulou um total de 278 pontos, 128 a mais que Kimi. O finlandês teve mais problemas com o carro do que o companheiro da Ferrari.

Após os testes colectivos, Vettel avaliou que "Kimi  pressionou bastante bem"  e "teve um pouco de azar no início do ano passado". Para o alemão, "é uma daquelas coisas em que as pessoas não têm uma memória grande, tendem a esquecer e olhar apenas para  os números".Para o ano corrente, Sebastian Vettel diz ter a certeza que vai ser " apertado" à semelhança do ano anterior.

Para 2016, uma das principais mudanças no bólido de Maranello está na suspensão dianteira, que deixou de ser pull -rod, após quatro anos, para usar o sistema push -rod. Apesar da modificação, Sebastian acredita que é difícil fazer comparações entre os dois carros.O tetracampeão realçou que "para ser 100 por cento específico é necessário pular de um e entrar noutro carro; como são dois carros diferentes, a alteração na suspensão dianteira é insuficiente". Vettel justifica que o feeling de um carro durante a condução não é "completamente diferente do outro".Depois de testes colectivos, o alemão concluiu que "o carro parece bom" para enfrentar as Mercedes. "É um passo em frente", disse.