Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rosberg exalta Mercedes

16 de Junho, 2014

Nico Rosberg ainda digere o segundo lugar no Grande Prémio do Canadá mas acredita que pode melhorar no próximo GP

Fotografia: AFP

Mesmo quase depois de uma semana, Nico Rosberg ainda se mostra insatisfeito com o segundo lugar no Grande Prémio do Canadá, no último domingo. Quem levou à melhor em Montreal foi Daniel Ricciardo que conseguiu o seu primeiro triunfo na Fórmula 1, acabou com a sequência de seis vitórias consecutivas da Mercedes. Para o actual líder do Mundial, o resultado no Canadá é decepcionante porque ele considera o carro da sua equipa bem superior em relação ao das rivais.

“Isso, realmente não é bom porque o nosso carro é rápido o suficiente para vencer todas as corridas. Então, ir embora do Canadá sem uma vitória é uma grande decepção para nós como equipa. Precisamos de recuperar na Áustria. De momento, nós precisamos tentar terminar nas primeiras posições em todas as corridas com o carro que temos”, afirmou Rosberg.  No Canadá, Hamilton apresentou uma falha nos freios e foi abrigado a abandonar a prova. Já Rosberg também teve problemas com o sistema de recuperação de energia, porém, conseguiu completar a corrida e cruzar a linha de chegada em segundo.

Para o GP da Áustria, no próximo final de semana, o alemão mostra confiança na recuperação da equipa, mas ressalta o longo trabalho que vai ser feito nos próximos dias. "Precisamos de ser a prova de bala e é um trabalho progressivo. Foi o primeiro problema que eu tive, porque temos sido bons com a confiabilidade. Nós temos sido bons com a confiabilidade antes, mas precisamos seguir em frente agora e ter certeza que estamos 100 por cento, naturalmente nunca é fácil", concluiu.

PROCURA  PARCEIRO
Dono de uma nova equipa da Fórmula 1, Gene Haas está à procura de um parceiro técnico, que deve estrear no grid da categoria em 2016. O norte-americano afastou a ideia de usar o chassi da Dallara e quer comprar motores de outras equipas. “Nós estamos a tentar ter um parceiro tecnológico. Nós passamos muito tempo com a Ferrari e falamos um pouco com a Mercedes. Fornecedor de motores é apenas a metade desta equação e nós estamos a trabalhar nisso”, contou Haas à revista inglesa "Autosport".

Haas esteve com membros da Ferrari no GP do Canadá, mas segundo o norte-americano, as negociações ainda estão abertas. “Até que tenhamos um contrato assinado, nada está decidido”, avisou. Sobre o chassi, Haas afirma que vai atrás da Dallara se a sua equipa entrar na temporada no próximo ano, mas como conjunto só vai ingressar em 2016, ele prefere que a sua empresa faça a peça: “Em 2015 tinha de ir atrás deles. Agora, temos 50 por cento do que precisamos para começar a construir os nossos próprios carros”.