Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rosberg joga o tudo ou nada no GP de Singapura

15 de Setembro, 2015

Alemão Nico Rosberg quer vencer as últimas sete corridas da temporada 2015

Fotografia: AFP

Com o equivalente a mais de duas vitórias de desvantagem no campeonato, para o companheiro Lewis Hamilton, Nico Rosberg sabe que não pode perder mais pontos nas próximas etapas,  se quiser lutar pelo título. O alemão, que está a 53 pontos atrás, com sete etapas para o final, prometeu mudar a  abordagem a partir deste final de semana, no GP de Singapura.

“Obviamente, Monza não correu como o planeado. Eu senti por ter perdido um bom resultado tão perto do fim, mas agora vou abordar as últimas sete corridas com a atitude de que não há nada a perder. Vou atacar ao máximo e não vou desistir da luta, de jeito nenhum”, prometeu Rosberg.O início dessa nova abordagem vai ser, com tudo numa pista que o alemão diz gostar, mas na qual tem como melhor resultado um segundo lugar, com a Williams, em 2008.

“Singapura é uma das minhas corridas favoritas, então é um bom lugar para começar. É uma pista dura para todos – fisicamente e mentalmente – e amo o desafio. Fiquei só a alguns centésimos da pole no ano passado e senti-me bem para a corrida até que um problema com o volante acabou com meu final de semana”, lembrou o alemão, que abandonou a prova do ano passado. ”Sei que tenho ritmo para vencer lá, então, espero ter um final de semana limpo.”

Constatação
Rob Smedley
alerta Williams


A Williams precisa aprender a viver sob pressão, se quiser voltar a vencer corridas e campeonatos. É isso, que defende o chefe de performance da equipa, Rob Smedley. A Lembrar-se dos seus tempos da Ferrari – o engenheiro esteve na equipa na época de Michael Schumacher e também lutou por títulos com Kimi Raikkonen, Felipe Massa e Fernando Alonso – o britânico alertou a sua actual equipa de que é preciso aumentar o nível para lutar de igual para igual com os grandes."Quando há alguma pressão em nós, isso é Fórmula 1, e operamos na ponta do pelotão. A equipa tem de entender que a pressão vai aumentar ainda mais", acredita Smedley.

Calendário
Spielberg em cena


A Williams precisa aprender a viver sob pressão, se quiser voltar a vencer corridas e campeonatos. É isso, que defende o chefe de performance da equipa, Rob Smedley. A Lembrar-se dos seus tempos da Ferrari – o engenheiro esteve na equipa na época de Michael Schumacher e também lutou por títulos com Kimi Raikkonen, Felipe Massa e Fernando Alonso – o britânico alertou a sua actual equipa de que é preciso aumentar o nível para lutar de igual para igual com os grandes."Quando há alguma pressão em nós, isso é Fórmula 1, e operamos na ponta do pelotão. A equipa tem de entender que a pressão vai aumentar ainda mais", acredita Smedley.