Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rosberg vence pela terceira vez consecutiva GP Mónaco

25 de Maio, 2015

O triunfo de ontem faz de Rosberg o quarto piloto na história a vencer o GP Mónaco por três vezes consecutivas

Fotografia: AFP

Nico Rosberg contou com a sorte e uma estratégia errada da Mercedes com o companheiro Lewis Hamilton para facturar ontem a sua terceira vitória consecutiva no Grande Prémio de Mónaco, pois tinha vencido em 2013 e 2014.

O alemão tinha poucas expectativas de vitória até 14 voltas do fim, uma vez que tinha mais de dez segundos de desvantagem para o rival. Mas uma batida forte de Max Verstappen, que causou a entrada de um safety-car e a chamada de Hamilton às boxes para colocar pneus supermacios, fez o triunfo cair no seu colo.

Com a segunda vitória seguida na temporada, Rosberg diminui ainda mais a vantagem do britânico na liderança do campeonato. São apenas dez pontos de diferença agora. O alemão foi para 116 pontos, contra 126 do rival, que acabou na terceira posição. Após o final da prova, o engenheiro de pista de Hamilton se desculpou  o piloto. "Sinto muito por isso, Lewis. Vou conversar com o pitwall", disse, referindo-se ao grupo que decide as estratégias da equipa.

Quem impediu a quarta dobradinha da Mercedes no ano foi Sebastian Vettel, da Ferrari.

O triunfo de ontem faz de Rosberg apenas o quarto piloto na história a vencer o GP de Mónaco por três vezes consecutivas. Os outros são Ayrton Senna, Graham Hill e Alain Prost.

A corrida gerou sentimentos diferentes nos brasileiros. Enquanto Felipe Nasr conseguiu chegar na nona posição e pontuar após partir no 14º lugar, Felipe Massa só cruzou a linha de chegada à frente dos carros da Manor Marussia. O piloto da Williams foi prejudicado por um acidente na volta inicial e foi o 15º.

Se a partida foi tranquila para Hamilton, o mesmo não se pode dizer para quem estava no pelotão intermediário, principalmente Felipe Massa. Ao sair no 12º posto, o brasileiro envolveu-se num incidente com Pastor Maldonado. Na primeira sequência de curvas, ele foi espremido pelo venezuelano e teve um furo no pneu dianteiro direito.

Com o passar das voltas, a emoção da corrida   diminuiu. O que não diminuía era a vantagem de Hamilton. Com pouco mais de 30 voltas para o fim, já tinha aberto mais de dez segundos de frente para Rosberg.

Na parte intermediária do pelotão, chamou a atenção o abandono de Fernando Alonso na 43ª volta com problemas na sua McLaren. Isso acabou por beneficiar Felipe Nasr, que travava luta directa com o espanhol por pontos. Após o abandono do bicampeão mundial, ele saltou para o nono lugar e conseguiu  manter-se nela até ao fim.

Apesar da saída de Alonso, nem tudo foi   tragédia para a McLaren. Pela primeira vez no ano a equipa conseguiu anotar pontos. E isso aconteceu graças a Jenson Button, que finalizou no oitavo posto.

Na 64ª volta, o holandês Max Verstappen foi protagonista de um forte acidente quando ocupava a 11ª posição. Ele bateu na roda traseira de Romain Grosjean ao forçar uma ultrapassagem, perdeu o controlo do carro e  chocou fortemente contra a barreira de pneus, destruindo o carro.

A Mercedes chamou Hamilton para as boxes de maneira errada e a vitória acabou no colo de Rosberg.


Mercedes assume responsabilidade


Lewis Hamilton dominava o GP de Mónaco até a Mercedes o chamar para as boxes na hora errada e fazê-lo perder a liderança. A equipa assumiu o erro e pediu desculpas ao britânico.

Hamilton liderou a prova com sobras até à 64ª volta, quando o acidente de Max Verstappen e Romain Grosjean provocou a intervenção do safety-car. Ali, a equipa decidiu chamar Lewis as boxes para lhe dar um novo jogo de pneus, acreditando haver tempo para isso. Mas não havia, e o inglês caiu para terceiro, atrás de Nico Rosberg e de Sebastian Vettel

Abatidos, Toto Wolff e Niki Lauda não hesitaram em admitir a responsabilidade pela derrota do bicampeão e líder do campeonato. A estratégia custou ao 44 metade da vantagem na liderança do campeonato, que caiu de 20 para dez pontos.

“Perdemos a corrida do Lewis com o erro. Pensamos que a diferença era diferente do que realmente era. Ele falou que tinha perdido temperatura de pneus, devíamos ter revisado isso com mais cuidado e feito o julgamento correcto. Pedimos desculpas. Jogamos fora a corrida dele", declarou à Sky Sports o director desportivo Toto Wolff.

O tricampeão Niki Lauda, presidente não-executivo, disse que a equipa confundiu-se no momento de optar pelo pit-stop adicional de Hamilton. "Eu não sei porque o chamaram  para a boxe, eu escutava as conversas e havia muita confusão, e no fim foi a decisão errada. Eu sinto muito, vou pedir desculpas. Para mim, é inaceitável. Vamos analisar tudo e entender como tomamos a decisão errada de chamá-lo às boxes”, completou.
A próxima etapa do Mundial de F1 é daqui a duas semanas, em Montreal, no Canadá.


Após acidente
Holandês Max Verstappen sai ileso


O holandês Max Verstappen foi um dos grandes personagens do final de semana do GP de Mónaco. Para o bem e para o mal. O piloto, que se estreia nesta temporada e é o mais jovem da história da categoria, com apenas 17 anos, e impressionou nos treinos livres.

Na corrida, contudo, teve problemas no seu pit stop e estava a recuperar até encher a traseira de Romain Grosjean, com pouco mais de dez voltas para o final da prova.

Os dois lutavam pela última posição nos pontos e Verstappen vinha muito mais rápido, com pneus novos. Na travagem da primeira curva, a Ste Devote, o francês pareceu ter travado antes do normal e foi acertado pela traseira por Verstappen.

A Toro Rosso foi desgovernada para a barreira de pneus e o choque foi forte. O piloto, contudo, saiu rapidamente do seu carro. Os comissários anunciaram que estão a investigar a colisão.

Na sexta-feira, Verstappen tinha sido bastante elogiado pelo chefe, Franz Tost, após ter sido segundo colocado logo na sua primeira sessão de treinos livres em Mónaco.

"Max é um piloto muito, muito talentoso. Eu fiquei impressionado com a maneira como ele se adaptou rapidamente." O chefe da Red Bull, Christian Horner, também elogiou o adolescente, dizendo que "para um cara que nem consegue alugar um carro, ele é impressionante."