Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ross quer ser novo patrão

26 de Junho, 2015

Stephen Ross quer controlar os destinos do

Fotografia: AFP

Stephen Ross, proprietário da equipa de futebol americano Miami Dolphins, pode fazer uma proposta de 7.000 milhões de dólares para controlar os destinos da Fórmula 1, segundo o Financial Times.

O empresário norte-americano tem o apoio da companhia Qatar Sports Investments, que também é proprietária do clube de futebol francês Paris Saint-Germain.

A empresa RSE Ventures, uma das companhias dirigidas por Stephen Ross, pode assim adquirir 35.5% dos direitos da Fórmula 1, que estão actualmente na posse da empresa britânica CVC Capital Partners.O magnata britânico Bernie Ecclestone deverá incluir nesta operação os cinco por cento de participações que estão na sua posse, adiantou o Financial.No entanto, caso a venda se concretize, Ecclestone, de 84 anos, vai continuar ligado à Fórmula 1.

“Ecclestone é um símbolo da prova e pode ajudar a expandir este desporto em países como os Estados Unidos e China”, afirmaram fontes da RSE Ventures consultadas pelo diário.

Apesar de Ecclestone ter assinalado que “ainda não há proposta em cima da mesa”, acredita-se que a RSE Ventures formalize a oferta nas próximas semanas, para ser proprietária da competição de automobilismo mais importante do mundo.

RAIKKONEN
O piloto finlandês Kimi Raikkonen está a sofrer com as especulações sobre uma possível saída da Ferrari no fim da temporada 2015. Se o assunto já o incomodava antes do GP da Áustria, após a colisão com Fernando Alonso ainda na primeira volta - que tirou ambos da pista precocemente - a declaração do chefe de equipa da escuderia italiana, Maurizio Arrivabene, de que a permanência do piloto na esquadra dependia dos seus resultados, pareceu irritar Raikkonen ainda mais.

"Ouvi algo sobre isso. E estou interessado em saber quem foi que escreveu sobre este assunto", questionou o piloto finlandês, que ocupa a quarta posição na  classificação do Mundial de pilotos, com 72 pontos.