Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rossi adora sair frente

29 de Agosto, 2019

Fotografia: Dr

O heptacampeão acredita que foi uma resposta àqueles que sugeriram que estava na hora dele se aposentar. Foi a primeira vez desde a prova de Austin que o italiano conseguiu ficar entre os ponteiros.
O desempenho de Rossi melhorou desde o regresso das férias da categoria, tendo conquistado bons resultados em Brno e na Áustria, depois de uma sequência de corridas ruins antes da parada - que levaram às especulações de uma possível aposentadoria do piloto de 40 anos.
Rossi disse que a velocidade que mostrou em Silverstone provou que ele ainda é capaz de ser competitivo, ao contrário do que os seus críticos afirmam. “Eu sei que tenho a motivação e que posso ser forte, porque também me sinto bem fisicamente”, disse o italiano.
Disse que o domínio é, às vezes, determinado pela moto. “Depende muito de como está a moto. Na metade da temporada, eu estava optimista porque havia circuitos dos quais eu gosto, mas nós estávamos em uma situação muito ruim, perdemos um pouco porque eu não conseguia guiar a moto”.
Continuando: “Aqui nós vimos o mesmo com Jorge Lorenzo. Se você não está 100%, você não anda em sétimo, você termina em 18º, porque todos no grid são fortes. É normal na minha idade e no momento da minha carreira, se eu faço três corridas ruins, as pessoas começam a dizer ‘ele é velho, chegou a hora de ficar em casa’, é desse jeito. Por isso estou feliz, porque sei que se puder pilotar bem, posso ser competitivo”.
 O heptacampeão falou ainda sobre a melhora dos tempos em função do novo asfalto de Silverstone, e aproveitou para destacar o trabalho da Yamaha. “O layout do circuito e os raios das curvas são bons para nossa moto, são contornos de média velocidade”, disse Rossi. “Claro que um novo asfalto com boa aderência ajuda”.
Perguntado pelo Motorsport.com se podia dar mais detalhes, Rossi respondeu: “Nós trabalhamos bem na aceleração, tentamos ser rápidos preservando os pneus, porque tivemos dificuldades nos últimos anos, podíamos fazer cinco voltas, mas depois sofríamos com a degradação”.