Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rossi e Lorenzo na disputa do título

15 de Outubro, 2015

Valentino Rossi e Jorge Lorenzo já garantiram o título de Construtores para a equipa Yamaha

Fotografia: AFP

O guião do Campeonato do Mundo de MotoGP assistiu a mais uma dramática reviravolta no Grande Prémio do Japão, com Dani Pedrosa, da equipa Repsol Honda, a assinar a 50ª vitória da carreira, à frente de Valentino Rossi e Jorge Lorenzo, ambos da Yamaha. Rossi aumentou a vantagem sobre o segundo classificado, Lorenzo, em quatro pontos.A luta pelo centro da época'2015 está cada vez emocionante. Rossi e Lorenzo estão distanciados por 18 pontos. O bicampeão mundial, Marc Márquez, está fora do lance do título. O espanhol está a menos de 85 pontos de Rossi.

Na próxima etapa, Valentino Rossi e Jorge Lorenzo, dois companheiros de equipa, defrontam-se no Grande Prémio da Austrália, no circuito de Phillip Island. O líder actual do Mundial venceu no passado nessa pista com mais de dez segundos de margem sobre Lorenzo. O resultado ficou estampado após a queda de Marc Márquez, que liderava a prova. A história pode repetir-se em 2015 e Rossi chegar a Sepang, prova a seguir a da Austrália, com 23 pontos de vantagem.O transalpino é o piloto mais bem sucedido da era moderna em Phillip Island, com oito triunfos em três classes (2x 250cc , 1x 500cc, 5x MotoGP), ao que se junta um pleno de pódios em todas as classes de 1998 a 2010.

No ano passado, Valentino Rossi assinou a primeira vitória no traçado desde 2005. Agora, o nove vezes Campeão do Mundo espera repetir o feito neste fim de semana, se bem que está consciente que para conquistar o ceptro lhe basta terminar em segundo atrás de Jorge Lorenzo em todas as corridas até ao final do ano.
O espanhol da Yamaha conta apenas com um triunfo na pista na categoria rainha, em 2013, se bem que também venceu o embate das 250cc de 2007. Ainda assim, nos últimos três anos nunca ficou abaixo do segundo posto em Phillip Island, um tipo de resultado que não vai ser o bastante para conquistar a terceira coroa de MotoGP.

Lorenzo sabe que para tal o melhor é vencer as três corridas que tem ainda pela frente para pressionar ao máximo o colega de equipa. Contudo, o desfecho desta época parece estar muito dependente do que fizer Dani Pedrosa, pelo menos a avaliar pelo que o piloto da Repsol Honda fez nas duas últimas jornadas. É certo que Pedrosa nunca venceu em Phillip Island na categoria rainha, o seu melhor resultado foi o segundo lugar de 2013, mas isso é quanto basta para baralhar por completo as contas do título. O seu colega de equipa, Marc Márquez, quarto em Motegi, apesar de ter rodado com mão partida, também pode ser determinante agora que teve mais uma semana para recuperar.

E apesar de Phillip Island ser uma das duas pistas onde nunca venceu na categoria rainha (a outra é precisamente Motegi), isso pode muito bem mudar este fim de semana. Aliás, Márquez nem sequer conta com qualquer resultado na pista depois de ter sido desclassificado em 2013 e de ter caído no ano passado, quando liderava com quatro segundos de vantagem.Mais atrás, Andrea Dovizioso (Ducati Team) é sétimo da geral, a quatro pontos do quinto lugar de Pedrosa, e a apenas dois pontos de Bradley Smith (Monster Yamaha Tech3), isto enquanto Andrea Iannone (Ducati Team) mantém a quarta posição da geral.

Interessante de acompanhar vão ser também as prestações dos pilotos do Team Suzuki Ecstar, Aleix Espargaró e Maverick Viñales, ambos com várias presenças nos dez primeiros ao longo deste ano.  Enquanto isso, Bradley Smith (Monster Yamaha Tech3) é o líder dos pilotos Satélite com 54 pontos de vantagem sobre Cal Crutchlow, da LCR Honda, e está perto de dar por concluída a batalha dos privados. Algo que não se pode dizer de Crutchlow, que conta com apenas cinco pontos de margem sobre Danilo Petrucci (Octo Prama Racing) e dez sobre o colega de equipa de Smith, Pol Espargaró.

No que toca à Open, luta em aberto entre Héctor Barberá (Avintia Racing) e Loris Baz (Forward Racing). O espanhol soma apenas mais dois pontos que o gaulês, enquanto Jack Miller (LCR Honda) e Nicky Hayden (Aspar MotoGP Team) estão a mais 12 de distância, ambos com 16 pontos.

"É uma margem difícil de recuperar”
Jorge Lorenzo, da Movistar Yamaha MotoGP, chega à 16ª jornada do MotoGP, o Pramac Grande Prémio da Austrália, a 18 pontos do líder do Campeonato, Valentino Rossi, colega de equipa. O espanhol viu como Valentino Rossi acabou por lhe ganhar pontos em Motegi e agora vai tentar recuperar o máximo possível em Phillip Island. O circuito australiano é dos traçados onde Jorge Lorenzo conta com mais pódios, incluindo a vitórias de 2013 e os segundos lugares de 2012 e 2014. No total, Jorge Lorenzo terminou por oito vezes nos três primeiros em Phillip Island ao longo da sua carreira.

“Voltei a perder pontos valiosos após mais uma corrida estranha em Motegi, mas ainda luto pelo Campeonato. É verdade que 18 pontos com o Valentino são uma margem difícil de recuperar, mas vou tentar de todas as formas. Se for capaz de vencer as últimas três corridas, e Rossi cometer algum erro, podemos vencer o título", disse esperançado. O segundo classificado do mundial de pilotos elogia a pista e caracteriza a qualidade das máquinas para suportar o tapete.

"Estamos perante outra bonita corrida. Phillip Island é um circuito de que gosto muito, mas o Valentino também, pelo que vai ser interessante. É um traçado muito exigente para a afinação da moto, também devido às condições climatéricas, pelo que temos de estar bem preparados”, disse.Valentino Rossi pode igualar o recorde de Capirossi em Phillip Island. O italiano está às portas de se tornar o piloto mais experiente na história do Campeonato do Mundo, bastando-lhe para isso alinhar nos Grandes Prémios da Austrália e depois de Sepang, na Malásia. Valentino Rossi vai igualar o recorde de Loris Capirossi de 328 partidas no Prama Grande Prémio da Austrália.