Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rossi exalta a recuperação

30 de Dezembro, 2014

Valentino Rossi é heptacampeão disse que Marc Márquez e Jorge Lorenzo são os melhores que enfrentou

Fotografia: AFP

Valentino Rossi classificou-se na segunda posição na época 2014 da MotoGP, atrás de Marc Márquez, o bicampeão mundial e à frente de Jorge Lorenzo, adversários que considera os mais duros que já teve na carreira.

O italiano heptacampeão do mundo afirmou que se vê no melhor momento da carreira, apesar da idade e do vice-campeonato.
“É muito difícil afirmar isto, mas trabalhei muito nos mínimos detalhes durante o ano. Estou mais velho, mas sinto que estou 100 por cento. Estou na minha melhor forma”, disse.

O italiano explicou que a categoria mudou, os tempos são outros e os adversários na luta pelo título – Márquez e Lorenzo – são os melhores. “Os adversários são mais jovens e muito mais fortes do que eram no passado”, declarou.

Rossi elogiou as mudanças ocorridas na MotoGP, mas garantiu que gostava de ter evoluído junto com a categoria. “As motos mudaram bastante, os pneus e os sistemas electrónicos também. Mudou muito a maneira de guiar a moto durante esses dez anos. Mas gosto de tentar evoluir. Essa é uma parte fundamental do jogo”, falou.

O heptacampeão lembrou que 2014 serviu para medir a pulsação: manter-se na categoria ou aposentar-se. Para Rossi, a época deu-lhe indicadores para continuar na MotoGP.

“Foi uma época boa para mim, consegui melhorar a minha velocidade e os meus resultados em comparação ao que fiz no ano passado. Essa era uma meta muito importante para mim. Precisava de decidir a minha continuidade ou não. Gostei muito desse ano. Tive grandes corridas e grandes disputas”, afirmou o italiano.
Rossi comentou a principal mudança entre 2013 e 2014. A nomeação de Silvano Galbusera como novo chefe de equipa, trouxe-lhe muita esperança. “Estou a sentir uma grande diferença”, explicou o piloto.

Silvano Galbusera substitui no cargo Jeremias Burgess, que chefiou a equipa durante quatro anos. A alteração mexeu com o íntimo do heptacampeão mundial.  “Tinha o lado pessoal, o lado do nosso relacionamento, estivemos juntos por muito tempo. Foi uma decisão dura e corajosa. Para mim, foi uma decisão muito difícil de tomar. Estava muito seguro e sabia que precisava de mudar para acompanhar a nova MotoGP”, disse.

Rossi foi o vice-campeão da época'2014. O italiano fez 295 pontos e foi o melhor da Yamaha. Márquez foi bicampeão ao anotar 362 pontos, resultantes de 13 vitórias das 18 provas.


CAMPEÃO MUNDIAL
Márquez enaltece renascimento do italiano


Marc Márquez exaltou a performance de Valentino Rossi. O bi-campeão mundial classificou como “incrível” o renascimento do heptacampeão na época'2014 da classe rainha do Mundial de Motociclismo.

Aos 35 anos, o piloto da Yamaha fechou o ano com o vice-campeonato e duas vitórias no currículo.
Os números registados, em 2014, fazem desta a melhor época de Rossi desde 2009. Em 2010, o ano de Valentino foi interrompido por uma fractura exposta na perna.

Nos dois anos seguintes, o piloto de Tavullia viveu um calvário na Ducati, antes de voltar à Yamaha em 2013. De volta à casa de Iwata, Rossi não conseguiu acompanhar o ritmo de Márquez, Jorge Lorenzo e Dani Pedrosa, mas conseguiu reagir neste ano e voltar a exibir uma boa forma.
“É incrível. Aos 35 anos é uma coisa, mas para mim, o mais importante é que voltou para a Yamaha, depois de dois anos e mostrou o quão forte é como piloto”, comentou.

Marc Márquez lembrou a corrida da Malásia: “Com um calor de 35ºC, pressionou-me até as últimas três voltas. Rossi voltou muito forte, uma situação que não acontece com um piloto que fica três ou quatro anos sem resultados tão bons”.

Fã declarado de Valentim Rossi, Marc Márquez afirmou que gostava de ser como o italiano no futuro. “Respeito-o muito, sempre vou dizer isso. Gostaria de ser como ele no futuro, mas vai ser realmente difícil”, completou.

Companheiro de Rossi na Yamaha, Lorenzo também elogiou a actuação do Rossi em 2014, especialmente após o italiano ter perdido a disputa interna da equipa azul, no ano passado. Jorge Lorenzo realçou que é difícil continuar a acreditar em si mesmo, quando se tem um companheiro de equipa muito forte e mais rápido que você. “No passado, alguns pilotos ficaram piores a cada ano diante de companheiros de equipas mais rápidos”, disse.

Jorge Lorenzo realçou que Valentino contraria a sua visão anterior. “Ficou melhor e está muito difícil batê-lo na pista. Talvez seja forte demais! Gostaria que fosse um pouquinho menos forte”, brincou. Além disso, o piloto de Palma de Mallorca também ressaltou o quanto Valentino trabalhou para recuperar a sua velha forma.
“Depois de três anos que não foram tão bons, especialmente os dois anos na Ducati, voltou muito forte e melhorou a sua pilotagem. Trabalhou mais fisicamente e também nas boxes, muitas horas a tentar melhorar a  moto e acertou”, encerrou.