Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Rossi lamenta desgaste de pneus

31 de Outubro, 2016

Rossi (à frente na imagem) lamentou que o desgaste de pneus o tenha impedido de lutar pela vitória

Fotografia: AFP

Valentino Rossi terminou no segundo lugar no GP da Malásia. O italiano largou na primeira fila e travou um grande duelo com as duas Ducati. Por conta de um erro na recta final da disputa, perdeu a oportunidade de lutar pela vitória até a linha de chegada.

Depois de muito vai e vem com Andrea Iannone, Rossi assumiu o comando da disputa e abriu uma ligeira vantagem, mas Andrea Dovizioso passou o companheiro de equipa e foi em busca do piloto da Yamaha. Com cinco voltas para o fim, o  número 46 errou na curva um e não teve ritmo para buscar o piloto de Forli.

“Foi uma boa corrida, especialmente, no início, pois, pessoalmente, senti-me bem desde a primeira volta”, disse Rossi. O italiano esclareceu que "estava preocupado no início, antes de largar, porque tinha muita água". Tão logo a chuva parou, "as condições ficaram normais", normal para a pista molhada. Perante o cenário, a luta pela vitória era o objectivo. "Senti-me bem”, disse.

“Tentei ficar à frente, mas depois tive uma dura batalha com Iannone e foi muito difícil, pois sempre ultrapassava de volta”, comentou.
Depois de adoptar uma nova estratégia, Valentino Rossi procurou distanciar-se do piloto da Ducati.

“Quando consegui ultrapassar, senti-me bem e abri uma pequena vantagem. Naquele momento, estava optimista para a vitória, mas começamos a sofrer muito com os pneus, especialmente, o dianteiro. Cometi um pequeno erro, mas não tinha mais o ritmo como Andrea. Era mais rápido e não havia jeito”, reconheceu. 

Em resumo da corrida, Valentino disse que teve dois momentos (em curvas) para a direita e "não queria cair e desperdiçar os 20 pontos outra vez". "É uma pena, porque queria tentar vencer, mas é um bom segundo lugar”, resumiu. Com o segundo lugar, Valentino Rossi chegou aos 236 pontos e abriu 28 de vantagem para Jorge Lorenzo, o que o garante como vice-campeão da época'2016.

“No fim, é um bom resultado. Estou bem feliz”, disse Valentino. “Quando tem a oportunidade de fechar essas coisas, tem de tentar, pois, se cometesse um erro hoje, Jorge chegaria em segundo, descontaria 20 pontos e chegaríamos em Valência com apenas quatro de diferença. Em Valência, Jorge é sempre muito rápido. Então, o segundo lugar está bem", concluiu.

MOTO 3
Bagnaia ascende ao terceiro lugar

Francesco Bagnaia deu à Mahindra a sua segunda vitória na época'2016 da Moto3. O piloto da Aspar conseguiu escapar ileso numa prova marcada por inúmeros acidentes e recebeu a bandeirada com mais de 7s de vantagem sobre Jakub Kornfeil. Bo Bendsneyder completou o pódio em Sepang.

A lista de acidentes começou na segunda curva, quando o estreante Ayumu Sasaki, que substitui o lesionado Enea Bastianini, foi ao chão. Metros mais tarde, Jorge Martín foi ejectado da moto no meio do pelotão e arrastou pilotos como Arón Canet e Philipp Oettl.
Mais adiante, a lista de quedas ganhou corpo com um acidente que tirou três dos quatro líderes da corrida em lances individuais, inclusive Brad Binder.

Com os rivais no chão, Bagnaia ganhou uma confortável margem na liderança e afastou-se mais e mais. O piloto da Aspar não teve oportunidades de ver a bandeira quadriculada, já que a prova foi encerrada, quando restavam quatro voltas para o fim por conta de um acidente que envolveu María Herrera e Livio Loi na curva 15.

O resultado foi validado com as posições dos pilotos até a 13ª volta. Kornfeil e Bendsneyder travaram um bom duelo, com o piloto da SIC a levar vantagem e garantiu o segundo lugar do pódio. Fabio Quartararo terminou isolado em quarto, à frente de Andrea Locatelli e Marcos Ramírez, que deu uma boa escala no pelotão na parte final da disputa.

Gabriel Rodrigo ficou com o sétimo posto, com Khairul Idham Pawi, Loi e Darryn Binder a completar o top-10. Dos 31 pilotos que largaram da meta, apenas 17 completaram a corrida. Com o resultado do GP da Malásia, Bagnaia assumiu a terceira posição na classificação geral, dois pontos à frente de Navarro, o quarto.

A vitória de Francesco Bagnaia, a segunda da época, rendeu-lhe o direito de testar com a Ducati na equipa espanhola na MotoGP. Ao subir no topo do pódio na Malásia, o italiano venceu uma aposta feita com a Aspar.

Tão logo o pupilo de Valentino Rossi conquistou o seu segundo triunfo na Moto3, Holanda e Malásia, a Aspar anunciou que Bagnaia vai testar a Ducati da equipa no dia 15 de Novembro, em Valência, durante a série de testes colectivos que dá início aos trabalhos de 2017.

Em declarações à imprensa disse emocionado: “Esta foi a melhor corrida da minha vida. Nunca é fácil rodar sozinho na liderança. Temos de aprender onde está o limite e tentar ser o mais rápido possível”, resumiu Pecco. Em comparação com o ano passado, o vencedor constatou mudanças pessoais.

“Creio que amadureci, pois, no ano passado, teria dificuldade para fazer uma corrida como esta. Então, demos um grande passo à frente e tenho muito de agradecer à equipa”, disse. Francesco Bagnaia descreveu a importância da vitória.

“Este provavelmente foi o nosso melhor fim de semana da época, no fim de um ano muito positivo. Agora, sou o terceiro no campeonato, o que é importante quando olhamos para Valência”, argumentou. Num contexto histórico, Francesco Bagnaia nunca havia sentido o sabor agradável de uma conquista.

“Esta foi a corrida mais difícil da minha vida, mas agora temos duas vitórias e seis pódios na época. Podemos pensar em Valência, onde, graças a uma aposta que fiz com a equipa para vencer duas corridas, também terei a oportunidade de conduzir a Ducati”, concluiu.