Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Sá Silva a caminho da Europa

Hélder Jeremias - 22 de Março, 2014

Piloto Sá Silva encurta meta para chegar à competição mundial de automobilismo

Fotografia: Jornal dos Desportos

O piloto angolano Sá Silva está de malas feitas com destino a Portugal, para a realização de testes oficiais de GP 3 Serias da época 2014, a terem lugar nos dias 27 e 28 do presente mês, no circuito do Estoril. Depois de no ano passado estrear-se na renhida competição pela equipa Carlin, a equipa inglesa anunciou, quinta-feira última, o regresso do angolano como um dos seus representantes para a empreitada de 2014, cujos objectivos passam pela obtenção de resultados mais substanciais.
 
“A Carlin está motivada para capitalizar a experiência conquistada pelo piloto nos anos passados e continuar a boa relação conquistada”, lê-se no  comunicado a que o Jornal dos Desportos teve acesso. O mesmo documento refere ainda que a equipa tirou boas ilações sobre o ano de aprendizagem a que o angolano foi sujeito, abriu perspectivas para uma época mais profícua.

Luís Sá Silva reconhece as dificuldades que vai enfrentar para se impor diante de fortes corredores, tal como sucedeu nas anteriores categorias em que deixou a sua marca, com destaque para a Fórmula Renault 2.0, China Pilota, Fórmula 3 e Fórmula BM Pacific. Para ultrapassar as adversidades, o piloto conta com o bom acompanhamento da equipa técnica liderada pelo treinador Nuno Pinto.

Luis Sá Silva disse que tiveram uma “época sólida” em 2013, e por esse facto, está “muito feliz” por estar de volta à Carlin para mais uma época competitiva. O piloto ressaltou que vai continuar a trabalhar arduamente, e dar o melhor para representar condignamente os patrocinadores e fãs. O “maior orgulho” de Luis Sá Silva é “ levar a bandeira angolana aos grandes palcos internacionais”.

Por seu turno, o técnico Nuno Pinto afirmou: “quando decidimos participar no GP3 em 2013, foi sempre com a ideia de fazer um projecto para dois
anos, pois só assim o piloto pode aprender e evoluir para alcançar bons resultados”.

O treinador ressaltou que a primeira época foi “muito difícil”, mas “o Luís aprendeu imenso e agora fazia todo o sentido continuar com a Carlin, porque é uma equipa de topo que dá todas as garantias”.