Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Sammy Kitwara arrebata trofu

Hlder Jeremias - 08 de Setembro, 2014

O queniano Sammy Kitwara foi mais rpido e superou o recordista de meia maratona o eritreu Zerzenay Tadess

Fotografia: Jos Soares

O fundista de nacionalidade queniana, Sammy Kitwara foi o grande vencedor da segunda edição da Meia Maratona Internacional Cidade de Luanda, disputada ontem na circunscrição entre a Avenida 4 de Fevereiro, Ilha do Cabo e Porto de Luanda, com o tempo de 1h00min23s.
Na segunda posição ficou o seu compatriota Stephen Kosgei, com o registo de 1h0036 e na terceira o etíope Guye Adola Kiplimo, com o tempo de 1h0039s.

FEMININO
A queniana Eunice Jepkirui Kirwa foi a mais rápida e cronometrou 1h08min31s, à frente da campeã da maratona de Bosto  e a sua compatriota Jemina Jelagat Yimer registou o tempo de 1h08min32s enquanto  a etíope Wude Ayelew Yimer ficou  com 1h08min36s.

HISTÓRICO DA PROVA
Com o tiro de largada disparado às 08h10, os atletas nacionais e estrangeiros deixaram a Avenida 4 de Fevereiro, defronte à sede do Ministério do Interior bafejados pelo ar fresco da magnifica marginal em direcção à Avenida Mortala Mohamed, à Ilha de Luanda. Galvanizados pelo desejo de quebrar o recorde mundial registado em 58min23, os atletas sentiram as primeiras dificuldades à medida que os raios solares aumentavam de intensidade. Defronte ao Hotel Panorama já havia grupos separados, uns mais adiante do que outros.

Na zona defronte à Floresta da Ilha era notória a liderança dos quenianos. O destaque vai para Mitei Amos Kiplimo, Paulo Lonyangata, que num despique cerrado com o eritreu Zerzenay Tadesse (detentor do recorde mundial) tornaram mais animada e competitiva a corrida. Os atletas nacionais federados evidenciavam altos índices de desgaste físico.

Após o retorno ao Farol da Ilha de Luanda, Sammy Kitwara imprimiu maior velocidade até à zona dos restaurantes dos Trapalhões, a vincar a sua excelente forma desportiva. Porém, a forte perseguição de Wilson Kiprop, Edwin Kipsang Rotich, Alex Oloipit Korio, Paulo Lonyangata e Zerzenay Tadesse não permitiu  gerir o percurso descendente de forma mais sossegada.

A saída da Ilha, na Ponte Kianda o cenário do despique dos dez concorrentes mais cotados acentuou-se. Zerzenay Tadesse rendeu-se à supremacia dos adversários nas imediações do Banco Nacional de Angola. Sammy Kitwara, Mitei Amos Kiplimo e Stephen Kosgei Kibet imprimiram velocidade e foram os primeiros a contornar o Largo do Porto de Luanda e a desenhar a ordem de chegada à meta, junto a uma tenda da Baía.

PRÉMIOS
O queniano Sammy Kitwara foi contemplado com um troféu e um cheque no valor de nove mil dólares (cerca de 900 mil kwanzas). Stephen Kosgei recebeu um troféu e um cheque no valor de oito mil dólares (cerca de 800 mil Kwanzas) e Guye Adola Idemo foi contemplado com sete mil dólares (cerca de 700 mil kwanzas).

ATLETAS NACIONAIS
Alexandre João é o melhor angolano


O fundista do Interclube, Alexandre João foi o primeiro atleta angolano a cortar a meta de chegada da segunda edição da Meia Maratona Internacional Cidade de Luanda, disputada ontem com o tempo de 1h05min54s. Pela ousadia, recebeu da organização um cheque no valor de três mil dólares norte-americanos (cerca de 300 mil kwanzas).

A 5min26s do vencedor Sammy Kitwara (1:00:24), o atleta da equipa adstrita à Polícia Nacional evidenciava a evolução e a boa forma desportiva. Em declarações ao Jornal dos Desportos, Alexandre João mostrou-se satisfeito com o resultado, uma vez que contou com a concorrência de adversários do panorama internacional. Com humildade, ressaltou as condições de trabalho disponibilizadas pela equipa como um dos factores que estão na base do seu desenvolvimento competitivo.

Alexandre João reconheceu que os atletas quenianos, eritreus e etíopes são de longe superiores aos nacionais, por conta das apostas que os seus países fazem nas provas de fundo. Porém, comunga da ideia de que “se as condições de trabalho melhorarem, os resultados vão ser melhores nas próximas edições”.

Alexandre João foi secundado pelo atleta do Petro de Luanda, Avelino Dumbo, e de Rafael Epessi, do 1º de Agosto. Os dois últimos receberam como prémios dois mil dólares (cerca de 200 mil kwanzas) e mil dólares (cerca 100 mil kwanzas). Em feminino, Ernestina Paulino, atleta do Interclube, foi a melhor angolana. A atleta residente no Huambo foi secundada pela Josefina Baptista, atleta do 1º de Agosto e por  Luciana Vicente, do Interclube. 
HÉLDER JEREMIAS

Número de atletas
supera primeira edição

O promotor da segunda edição da Meia Maratona Internacional Cidade de Luanda, Domingos Castro considerou “positivo” o balanço do evento, apesar de ter falhado a cifra de dez mil atletas preconizados pela organização. Em declarações à imprensa, o antigo fundista disse que o facto do evento ter reunido sete mil concorrentes serve para tirar boas ilações sobre o nível granjeado pela competição, em relação à edição passada, em que o número de participantes se situou em dois mil atletas.

Domingos Castro sublinhou as excelentes condições da cidade de Luanda para a realização da Meia Maratona Internacional. Muitos atletas famosos abdicaram de outros convites e correram para  Angola para desfrutarem da beleza que a Baía de Luanda oferece. A grande adesão de atletas justifica a aceitação da prova.

A Meia Maratona Internacional representa um importante veículo para apresentar a imagem de Luanda no exterior do país, segundo o promotor português. Vários canais televisivos fazem a transmissão do evento desportivo e o número de audiência cresce de forma exponencial. “A vinda desses atletas serve para incentivar o maior número de pessoas à prática do desporto e prestigia o evento que já conquistou uma audiência que serve de orgulho a todos nós. A beleza da cidade e as condições ambientais são das melhores”, disse.                     
HÉLDER JEREMIAS