Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

So Silvestrinha pe crianas a correr

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 28 de Dezembro, 2013

Mais de 500 crianas participam hoje na corrida que parte defronte sede do Governo da Hula

Fotografia: Jornal dos Desportos

A corrida considerada uma das mais importantes do calendário nacional na categoria infanto-juvenil visa despertar o interesse das crianças,  para a prática do desporto e mostrar os benefícios que as actividades físicas trazem à vida humana.

Manuel António, organizador da competição, disse ontem ao Jornal dos Desportos,  que está a promover, em parceria com a direcção Provincial da Juventude e Desportos da Huíla, a mini Silvestrinha de maneira a que tudo saia com perfeição.

De acordo com o mentor do projecto,  foi convidada a maior parte  dos clubes que possuem escalões de formação e professores de educação física das escolas de diversas instituições públicas e privadas, para que  levem  os  petizes a participar  na actividade de massificação da modalidade de atletismo.

“Contamos com as escolas de diversas instituições públicas e privadas e temos como objectivo nessa actividade fazer uma selecção para promovermos os talentos”, ressaltou.

O meio fundista Manuel António, que beneficia de uma bolsa de estudo no Brasil oferecida pela Federação Angolana de Atletismo (FAA), destacou que é a partir da prática do desporto desde a infância que se pode encontrar talentos.

Manuel António afirmou ainda que a organização quer superar a  cifra dos 200 participantes da edição passada. “Quando organizamos o ano passado a primeira edição tivemos 200 participações e esperamos ter uma melhor em função das inscrições”, prometeu.

Manuel António esclareceu que por  tratar-se  de uma prova  infanto-juvenis vão ser disputados  50, 75, 100, 150, 250, e 400 metros na pista do Estádio da Tundavala

Avançou que nas provas com distâncias longas sobretudo nos 2000, 1500 e 800 metros fazem  parte atletas dos escalões de juvenis e juniores em ambos os sexos. “Contamos  também com uma corrida num percurso de 3000 metros para despertar o interesse dos adultos,  por sinal  os pais dos petizes que podem fazer parte desta festa de atletismo a  correr  ou a caminhar”, disse.

A mini São Silvestrinha que tem como ponto de largada o Governo provincial da Huíla serve tambem para fechar a temporada desportiva. A organização tem todas as condições técnicas, administrativas, segurança policial, bombeiros e médicas, asseguradas.


São Silvestre
Polícias entram
cautelosos na prova


O treinador de atletismo do Interclube,  Augusto Diogo “Seco” disse ontem ao Jornal dos Desportos,  que os fundistas da sua agremiação entram para a São Silvestre com cuidado, rigor e paciência para cumprir o objectivo de ocupar bons lugares.

“Estamos a  preparar-nos  para essa corrida internacional já que grandes atletas e campeões do mundo das meias maratonas e maratonas estão inscritos para participar. Nesta vertente, também temos que ter o cuidado, rigor e paciência para preparar os nossos atletas para ver se desta vez vamos  classificar-nos  num bom lugar”, sustentou.

Lembrou que o primeiro angolano na edição passada ocupou o 17º lugar e que os atletas do Interclube, num total de dez (dos quais três da classe feminina) estão a trabalhar para que ocupem os dez primeiros lugares. Augusto Diogo “Seco” admitiu ser difícil concretizar o propósito, mas que não é impossível. “Deve ser  difícil. Mas, não é impossível.  Estamos a redobrar esforços para que esse intento venha a acontecer”, disse.
GH




PORTUGAL
São Silvestre bate recorde de inscrições


Amanhã as ruas de Lisboa vão encher-se de corredores, numa prova que já faz parte do calendário da cidade, que este ano reúne oito mil pessoas. A São Silvestre de Lisboa bateu todos os recordes de inscrições, e Hugo Sousa, director de prova e da HMS, entidade que organiza a prova, promete uma corrida única, com muita festa e divertimento.

“Este ano tivemos oito mil inscritos, e as inscrições esgotaram seis semanas antes do evento. São mais dois mil do que no ano passado, e nunca nos tinha acontecido esgotar as inscrições tão cedo”, revela o director, que adianta que a popularidade cada vez maior desta corrida, e a crescente febre em torno das corridas de rua ajudam a explicar este sucesso.

Hugo Sousa admite, que a São Silvestre “ é a menina dos olhos” da HMS e que por isso é constante o trabalho para melhorar de edição para edição. “Temos conseguido que a prova cresça de forma sustentada, e no ano a seguir procuramos sempre fazer melhor. Aliás, esta edição ainda nem começou e já estamos a pensar na próxima.”

O percurso deste ano foi alterado para facilitar a vida aos atletas, e Hugo acredita que todos vão poder desfrutar mais das ruas da cidade. “Fizemos várias alterações no percurso, que permitem que a prova seja mais fácil para todos os participantes, e que possa crescer. Quando chegamos à zona do Cais do Sodré, a prova segue em frente, em direcção ao 24 de Julho, o que permite que ela possa escoar melhor, e no regresso não se vai à Santa Apolónia, segue-se logo pelo Terreiro do Paço em direcção à rua da Prata. Depois, na fase final, já não é preciso ir ao Saldanha… é só contornar o Marquês de Pomba e voltar”, explica o director da prova, e acrescenta, que outra das novidades desta edição é o facto de a partida se dar a toda a largura da Avenida da Liberdade.