Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Sebastian Vettel mantém cautela

17 de Fevereiro, 2016

Germânico nem hesitou em responder com quem prefere lutar pelo caneco

Fotografia: AFP

Sebastian Vettel não descartou a Ferrari na luta pelo título da temporada 2016. O tetracampeão preferiu não fazer prognósticos, apenas elogiou o empenho de todos na equipa italiana.

Sebastian Vettel voltou a falar da vontade da Ferrari em ter resultados melhores na temporada 2016. Sem avançar o tempo que vai precisar para vencer a Mercedes, o tetracampeão prometeu empenho de todos.

 "Não é segredo para ninguém que nós ainda não estamos onde gostaríamos e que ainda precisamos de melhorar algumas coisas. Mas o trabalho duro e o desempenho em 2015 mostraram que estamos no caminho certo", disse.O alemão ao ser perguntado se ia para a Mercedes caso houvesse proposta, mostrou que estava feliz na Ferrari e comentou que não gosta de mudar sistematicamente de equipa.

 "Eu não sou do tipo de pessoa que troca tudo de um ano para o outro. Nunca fui assim em nada da minha vida. No momento, estou muito confortável no lugar em que estou, todos nós temos os mesmos objectivos", continuou.

Vettel não quis fazer previsões sobre o campeão, mas não descartou a presença da Ferrari na luta pelo título da temporada com a Mercedes.
"É melhor perguntar isso a um vidente. Fazer prognósticos da temporada é sempre muito complicado, mas nós vamos fazer tudo para apertar a luta", afirmou.
 O germânico nem sequer hesitou em responder com quem prefere lutar pelo caneco. Logicamente, pensou na equipa e na qualidade que o carro supostamente tinham numa disputa doméstica com Kimi Räikkönen.

 "Espero que Kimi. Isso significaria que nós fizemos um carro extremamente forte", completou. Apesar da evidente diferença entre os carros e os motores, Vettel deu trabalho  à dupla da Mercedes em 2015 e fechou o ano em terceiro, marcou 278 pontos.

RENAULT MINIMIZA
INEXPERIÊNCIA DE PALMER

O primeiro ano de Jolyon Palmer como titular na F1, não vai dar ao campeão da GP2 em 2014, a chance de ter uma temporada de aprendizado na F1. Especialmente, numa situação em que vai ser o piloto de uma equipa de fábrica, que tem o maior tempo de casa.

Não importa que se trate de um caloiro como titular na F1, a Renault espera que Jolyon Palmer seja um piloto que corresponda às expectativas grandes, que tem a fábrica francesa.

O chefe da veterana equipa, Frédéric Vasseur, deixou claro que espera bastante do que é o único nome constante na dupla de pilotos da Renault desde a confirmação da saída de Romain Grosjean.

 O campeão da GP2 em 2014, e reserva da Lotus em 2015, foi logo garantido após a notícia de Grosjean na Haas. Pastor Maldonado era o companheiro e depois não mais. Kevin Magnussen vai ser o nome ao seu lado, mas o dinamarquês ainda é completamente novo na Renault, após uma carreira apoiada pela McLaren. É por esses motivos que o inglês não vai ter avaliação branda no seu primeiro ano.

"Jolyon foi de terceiro piloto de uma equipa privada para titular de uma equipa de fábrica. Não só isso: o piloto com mais experiência dentro da equipa. Ele é muito maduro e sabemos que o título dele na GP2 em 2014 mostra que pode entregar o melhor na pista ", disse Vasseur.

Além do que Palmer tenha de fazer ao volante, Vasseur também tem falado bastante do que vai precisar de fazer no processo de transformar a equipa em vencedora outra vez, neste regresso à F1.

A Renault volta à pista na F1,  a 21 do mês em curso, no começo dos testes colectivos de pré-temporada em Barcelona. A temporada começa para valer com o GP da Austrália nas ruas de Melbourne em 20 de Março.