Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Sebastian Vettel supera Lewis Hamilton

27 de Março, 2017

Vettel aproveita estratégia da Ferrari para obter a vitória em Melbourne

Fotografia: AFP

A época 2017 abriu com poucas emoções. A vitória de Sebastian Vettel é o novo ar que paira na F1. O alemão quebrou o favoritismo de Lewis Hamilton e levou a melhor com a estratégia de pit-stop da Ferrari. Para quem sonhava com uma F1 mais equilibrada, o resultado do Grande Prémio da Austrália pode ser considerado animador.

Sebastian Vettel venceu ontem a primeira corrida do Mundial de F1 em 2017, na base da competência e também da estratégia correcta da Ferrari. Lewis Hamilton liderou a prova nas primeiras 17 voltas, quando foi aos boxes colocar os pneus macios. Vettel só fez a sua paragem sete voltas depois e partiu para a fase final da disputa com os macios. Com muita sorte, voltou à pista à frente do rival.

Daí em diante, Sebastian Vettel realizou uma prova absolutamente segura e não foi mais superado para ser o primeiro a cruzar a linha de chegada no circuito Albert Park, palco de uma corrida com poucas emoções e ultrapassagens, como já era previsto em razão da grande pressão aerodinâmica dos novos carros.

É a primeira vez desde o GP do Japão de 2012 que um piloto da Ferrari não liderava o Mundial de F1. Naquela oportunidade, Fernando Alonso, que abandonou ontem a corrida com a McLaren, se colocava na liderança da época. A última vitória de Vettel foi no GP de Singapura de 2015.

Hamilton teve de se conformar com o segundo lugar. Um segundo lugar com gosto amargo depois de ter saboreado a pole-position no último sábado.Lewis Hamilton ainda teve de segurar a pressão do seu novo companheiro de equipa, Valtteri Bottas, que apresentou um desempenho sólido e facturou um pódio na sua primeira corrida pela Mercedes.

Kimi Raikkonen, extremamente apagado, bem diferente do seu colega de equipa, foi o quarto, enquanto Max Verstappen completou a prova logo depois. Felipe Massa, no seu 'regresso' à F1, garantiu uma boa sexta posição, à frente de Sergio Pérez, da Force India.

A Toro Rosso colocou os seus dois pilotos no top-10 com Carlos Sainz em oitavo e Daniil Kvyat em nono. Esteban Ocon, parceiro de Pérez na Force India, facturou o seu primeiro ponto na F1 ao terminar em décimo. Destaque também para a óptima performance do também novato Antonio Giovinazzi, que fechou em 12º com a Sauber.
Assim, Sebastian Vettel inicia o ano com 25 pontos, seguido por Hamilton, Valtteri Bottas, Kimi Raikkonen, Max Verstappen, Felipe Massa, Sergio Pérez, Carlos Sainz, Daniil Kvyat e Esteban Ocon.

AGRADECIMENTOS
AOS FUNCIONÁRIOS


A nova F1 pode não ter se mostrado emocionante ontem na sua estreia, no GP da Austrália, mas tem uma nova realidade: há uma luta entre equipas.Se Lewis Hamilton abriu sem problemas na liderança, a estratégia falou mais alto. Sebastian Vettel tomou a "comando" e jamais perdeu de novo. O tetracampeão saiu de Melbourne a comemorar. É o líder do campeonato mundial pela primeira vez desde o final da temporada 2013.

No quesito vitórias, Vettel volta a facturar. É a 43ª da carreira e a primeira desde o GP de Singapura de 2015. E não era o que a corrida sugeria no começo, quando Hamilton largou bem e abriu, num primeiro momento. Mas a Ferrari acertou a estratégia com as paragens, fez Sebastian parar apenas sete voltas depois de Hamilton e apostou numa paragem só. 

"É incrível. Foi uma corrida louca da maneira positiva. As pessoas estavam a correr em direcção ao pit-lane com bandeiras", brincou. "Era o que precisava. O pessoal tem trabalhado bem duro e sem dormir. É um carro divertido de conduzir", afirmou ainda na entrevista realizada nos boxes.

Em seguida, perguntado sobre se está de facto a disputar o título, se conteve.  "Isso (uma luta pelo título) está muito lá à frente. Por enquanto, estamos apenas na lua com o início de campeonato que tivemos hoje (ontem)", disse.

Para encerrar a entrevista, garantiu: "Não fiquei completamente feliz com a minha largada, teve uma patinagem, mas estava a tentar manter a pressão para mandar uma mensagem de que estamos aqui para lutar. Houve alguma sorte de que Lewis Hamilton apanhou o tráfego. O piloto pode forçar esses carros até o final ", admitiu.