Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Seleco nacional afina a estratgia

lvaro Alexandre - 13 de Junho, 2013

Quatro grupos compem a seleco nacional e disputam entre si. A equipa A' integrada por Elizandro Andr, Edvane Neto e Alssio Peter; a B, por Jackson Nazar, Waldemar Cassanga e Jos Domingos

Fotografia: Jornal dos Desportos

O Selecção Nacional sénior masculino realiza hoje, às 10 horas, no Centro de Alto Rendimento de Angola (CARA), a terceira partida de controlo, a contar para a campanha preparatória, com vista a participação do combinado nacional no Campeonato Africano de Ténis de Mesa, a decorrer de 1 a 4 de Julho, em Brazzaville, no Congo.

Quatro grupos compõem a selecção nacional e disputam entre si. A equipa ‘A' é integrada por Elizandro André, Edvane Neto e Aléssio Peter; a ‘B’, por Jackson Nazaré, Waldemar Cassanga e José Domingos; a ‘C’, por António Lemos, Paixão Neto e Isabel Albino; e a ‘D’, por Maria Samalinha, Ruth Tavares e Vidigal Lemos.

Para as partidas de hoje, a equipa ‘A’ defronta no CARA, localizado no Complexo da Cidadela Desportiva, a equipa ‘C’, enquanto a ‘B’ cruza com a ‘D’. Na primeira sessão de partidas de controlo, o conjunto liderado por Elizandro André derrotou a equipa comandada por Jackson Nazaré, por 3-1; e o grupo encabeçado por António Lemos também venceu o da Maria Samalinha, pelo mesmo resultado.

O seleccionador nacional, Manuel Pimentel, criou quatro equipas, nas quais integrou atletas não seleccionados para o campeonato africano a realizar-se em Brazzaville, com objectivo de se criar dificuldades nas partidas de preparação.

Para Congo Brazzaville, Manuel Pimentel escolheu os atletas José Domingos “Mabina” (dos Escorpiões), Hermenegildo Agnelo e Jackson Nazaré (ambos da Universidade Privada de Angola) e Waldemar Cassanga (do Anglodente).

O técnico da Selecção Nacional dispensou do conjunto que se prepara para o Campeonato Africano, Elizandro André, Edvane Neto, Aléssio Peter, Paixão Neto, Maria Samalinha, Ruth Tavares e Isabel Albino.

Os atletas dispensados regressam no dia 20 do corrente mês a China para darem continuidade aos estudos e estágio interrompido em Março. O grupo participou nos Campeonatos Africanos de Jovens, disputados na Tunísia.
ÁLVARO ALEXANDRE

TÈNIS
Rafael Nadal descarta recorde

Após a conquista do oitavo título em Roland Garros e de ter aumentado para 12 as vitórias em torneios do Grand Slam, o espanhol Rafael Nadal acentuou que não está no seu pensamento bater o recorde de Roger Federer, que conta 17 troféus em provas majores.

“Falar do recorde de Federer é algo que está muito distante. Ainda nem sequer pensei nisso”, disse o espanhol numa entrevista ao jornal “Marca”.
Federer vai completar 32 anos em Agosto e detém sete títulos em Wimbledon. Se o suíço ganhar a edição deste ano na relva inglesa iguala os oito triunfos de Nadal em Roland Garros.

O maiorquino, de 27 anos, agradeceu a ajuda de familiares e amigos no seu regresso à competição, depois de estar afastado durante sete meses e recordou: “Até há três meses estava coxo.”

TÉNIS
Treinador Toni Nadal
evita entrar em euforias


Rafael Nadal conseguiu um recorde excepcional ao tornar-se o jogador com o maior número de títulos em torneios do Grand Slam (oito em Roland Garros), mas o seu tio e treinador, Toni Nadal, não quer entrar em euforia e precisa que há que respeitar quem é o líder mundial.

“O melhor jogador do Mundo chama-se Novak Djokovic”, acentua Toni Nadal, acrescentando que não faz parte dos objectivos do seu pupilo voltar a ser n.º 1 ATP.

“Acima de tudo queremos festejar a vitória em Roland Garros num ambiente tranquilo e depois pensar em Wimbledon. O Nadal está motivado para fazer um bom resultado, mas há jogadores mais aptos como o Novak Djokovic e o Roger Federer. Depois de Wimbledon vemos como correm as coisas para o segundo semestre da temporada”, disse.

Nadal encurtou a diferença em relação a Roger Federer no que respeita ao número de títulos em torneios do Grand Slam. O suíço tem 17, a seguir figura o norte-americano Pete Sampras com 14 e depois surge o lendário australiano Roy Emerson e Rafael Nadal com 12. Bjorn Borg e Rod Laver (11) foram ultrapassados.