Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Seleco continua invicta no africano

20 de Janeiro, 2018

Sete nacional lder isolado do grupo B do Campeonato Africano das Naes da modalidade

Fotografia: Contreiras Pipas | Edies Novembro

Uma ligeira sessão de treinos preenche, hoje, o dia de trabalho da Selecção Nacional sénior masculina de andebol, visando o jogo diante da similar do Egipto, amanhã, às 19H00, no âmbito da a 23ª edição do \"africano\" da categoria em Libreville, Gabão. A equipa não vai competir hoje. Aliás, a prova regista o primeiro dia de pausa geral.
No fundo, todas equipas vão obedecer ao que é tradicional. Efectuar treinos sem grande dispêndio de esforços e trabalhar sobre o \"scouting\" dos principais adversários. Filipe Cruz, seleccionador nacional, disse, ontem, à nossa reportagem que não tinha todo o plano de trabalho para o dia elaborado. Admitiu um momento de descontracção do grupo que pode ser preenchido com um ligeiro passeio pela cidade capital gabonesa.
\"Estamos tranquilos, sem stress. naturalmente vamos treinar e depois vemos como complementar\", disse o treinador.
A Selecção Nacional busca nova vitória na prova diante do campeão continental, Egipto, para encerrar a fase preliminar da prova, depois de golear ontem o Marrocos por 32-21, com já favoráveis 14-12. A Selecção Nacional teve, diante de Marrocos, uma irrepreensível actuação em todos os sectores. Manuel Nascimento foi considerado, mais uma vez, o \"Homem do Jogo\".
Os egípcios são um osso \"duro de roer\". Angola nunca saiu vitoriosa num confronto com os faraós. O último jogo entre angolanos e egípcios é de triste memória. A jogarem em casa, os egípcios transformaram o pavilhão num \"inferno\" e sufocaram o conjunto angolano. Venceram por claros 25-15, em jogo que contou para a meia-final do campeonato disputado no Cairo, em 2016.
Amanhã, às 19H00, muitos dos actores serão os mesmos, mas o cenário e o resultado podem ser diferentes. Filipe Cruz não tem Sérgio Lopes que por uma esquisita opção técnica não está entre os seus guerreiros.
Sérgio actua no andebol árabe e deve ser uma das unidades angolanas melhor catalogadas pelos faraós, não só por o verem a actuar na liga árabe, mas também pelo registo de segundo melhor marcador do último mundial.
Do grupo que esteve no Cairo em 2016 não está também Elias António, facto que pode baralhar as contas aos egípcios. Vão lidar com rostos novos.
Seus principais atletas Ahmed El-Ahmar (meia-distância direito), Hossam Khed (ponta esquerda) e Mohamed Hashem (Pivot) integrantes do sete ideal daquela prova estão em Libreville.
O Egipto teve um plano de preparação que o levou a jogar torneios com selecções europeias e jogos com equipas dos campeonatos francês e espanhol, uma aposta direccionada à revalidação do campeonato. Angola, sem nada a perder, surge na primeira linha dos oponentes sérios aos objectivos dos campeões que precisarão esforçar-se para fazer valer seu favoritismo. Noutro jogo do grupo Marrocos defronta a RDC.