Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Seleco encerra presena no torneio da Nambia

Armindo Pereira - 11 de Abril, 2019

Golfistas angolanos podem aumentar os seus handicap

Fotografia: DR

A selecção nacional de golfe termina amanhã a participação  no Torneio da Região V, que decorre desde a última segunda-feira na cidade de Swakopmund, na Namíbia. A prova disputada por 11 nações é a mais mediática da região austral do continente e tem a chancela da Associação Africana da modalidade.
Capitaneada por José Crispin e integrada por António Marçal, Carlos Pereira, António Luife e Victor Marçal procuram dignificar as cores da bandeira nacional no magno evento.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, o presidente de direcção da Federação Angolana de Golfe (FAGOLFE), Almir Soares, disse que o objectivo é evitar os últimos lugares da tabela classificativa.
" Apesar da boa preparação que tivemos, não podemos ter ilusões de ficar à frente de nações com tradição nesse tipo de eventos. Temos a certeza que será melhor em relação aos outros anos. É o torneio de maior relevância na região com envolvência de todos os países ", disse.
A título de exemplo, Almir Soares recordou que a África do Sul é uma potência mundial. Em torneios africanos, Zimbabwe, Namíbia e Zâmbia são os países com bons executantes. Para o dirigente, o maior ganho dos angolanos é o intercâmbio que pode reflectir-se na melhoria do handicap de cada um dos golfistas.
" De certeza que vão absorver a experiência de outros. Espero que haja um intercâmbio técnico e o golfe angolano saia a ganhar. São experiências trazidas e que vão reflectir-se na formação de muitos dos nossos atletas envolvidos em projectos de massificação ", esclareceu.   
Ainda de acordo o presidente da FAGOLFE a presença da Selecção Nacional em Swakopmumd só foi possível " graças às a envolvência de empresas e patrocinadores ", bem como do apoio institucional do Ministério da Juventude e Desportos.
Paralelamente a competição, Almir Soares e Emiliano Tavares, membro do Conselho Fiscal, participaram de um encontro técnico da Associação Africana de Golfe, que abordou as novas regras e os próximos eventos.
Além de Angola e do país anfitrião, disputam a prova a África do Sul, Zâmbia  Lesotho, Malawi, eSwatini, Zimbabwe, Quénia e Ilhas Maurícias. Moçambique declinou o convite devido à catástrofe natural, o ciclone Idai, que destruiu parte das infra-estruturas do país e deixou milhares de cidadãos desabrigados.