Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Senegaleses e angolanos fazem vaticnios vitoriosos

Silva Cauti - 26 de Setembro, 2019

Como se trata de Jogos Olmpicos, uma competio em que todo o atleta quer estar, acredito que as nossas atletas esto mobilizadas", disse.

Fotografia: Dr

O ministro senegalês dos Desportos, Matar Ba, instou o Comité Organizador do Torneio Pré-olímpico de Dakar, liderado por Seydou Diou, presidente da Federação Senegalesa de Andebol, a"tomar todas as providências para garantir uma boa realização do evento, mas também para garantir uma participação bem-sucedida", numa clara alusão à necessidade de organizar para ganhar. "Este é um desafio que você deve enfrentar. Um desafio no nível organizacional, mas também em termos de participação", disse, há poucos dias, aquando da instalação do Comité Organizador do torneio. Uma das estratégias de Seydou Diouf passa pela presença massiva dos adeptos no Dakar Arena, onde espera ter 15 mil adeptos a torcerem pelo conjunto local. Para tal, o torneio vai ter entradas livres. Mas, jogar diante do público senegalês pode ter efeito de faca de dois gumes, uma vez que vai ser a primeira vez para todas as integrantes da equipa da casa. A propósito disso, Hawa Ndiaye, a pivot, 24 anos, capitã das leoas, tenta disfarçar o assunto e refere que "jogar na Arena Dakar é uma pressão positiva". Por seu turno, a antiga integrante da selecção nacional, Nelma Pedro, minimiza a pressão que pode advir do facto das senegalesas jogarem em casa. "O factor casa não conta no campo. As nossas Pérolas já estão acostumadas a enfrentar ambientes hostis. Têm ganho nas taças dos clubes campeões, taça das taças, campeonatos africanos, jogos africanos e não é agora que vão tremer", disse. Para Nelma, com mais ou menos dificuldade, o passe para os Jogos Olímpicos de Tóquio'2020 vem para Angola."A nossa selecção teve uma óptima preparação com muitos torneios; tem miúdas que dão conta do recado, mas tem outras muito maduras e experientes. É sempre bom contar com uma Natália Bernardo, Azenaide Carlos e Belinha. Creio que vamos ganhar", terminou. O seleccionador nacional sénior masculino, Filipe Cruz, que também já esteve ao comando das Pérolas, está atento ao favoritismo destas na prova que oferece o bilhete de passagem para os Jogos Olímpicos. Para o treinador, Angola tem atributos mais que suficientes para alcançar o objectivo. "As outras equipas têm trabalhado e vão tornar isso muito difícil. Como se trata de Jogos Olímpicos, uma competição em que todo o atleta quer estar, acredito que as nossas atletas estão mobilizadas", disse.