Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Senna e Vettel são incapazes de cumprir quaisquer ordens

23 de Abril, 2013

Ayrton Senna e Sebastian Vettel conquistaram três títulos mundiais

Fotografia: AFP

Ayrton Senna e Sebastian Vettel conquistaram três títulos mundiais e têm mais um ponto em comum, segundo o ex-piloto austríaco Gerhard Berger: ambos são incapazes de seguir ordens da equipa.

Em entrevista publicada no jornal espanhol “El País”, no domingo, Berger opinou sobre o Grande Prémio da Malásia, realizado a 24 de Março, quando Vettel ignorou as instruções da Red Bull e ultrapassou Mark Webber na 46ª volta das 56 previstas. Questionado sobre o polémico episódio, Berger disse que “pilotos como Senna, (Michael) Schumacher e Vettel são incapazes de seguir essas directrizes e ordens de equipa”.

Para o austríaco, os três nomes citados “querem ganhar cada corrida e cada campeonato dos quais participam” e responder “que estupendo” quando são informados antes de uma prova quais as directrizes impostas pela equipa. “Porém depois, chega o momento e o seu cérebro não processa”, completou o ex-piloto.

Berger foi parceiro de Senna na equipa McLaren entre 1990 e 1992. O ex-piloto, que coleccionou 210 corridas e dez vitórias na Fórmula 1, também foi proprietário da Toro Rosso entre 2006 e 2008, na qual tinha 50 por cento das acções. Nessa época, acompanhou o primeiro triunfo da carreira de Vettel, no GP da Itália de 2008, pela própria equipa STR.

Segundo Berger, quando Vettel começou a trabalhar na equipa “não havia completado 20 anos, porém o seu cérebro era de um fulano de 30”. Acima do talento, o ponto mais forte do alemão é “a sua inteligência”, na opinião do austríaco. Na mesma entrevista, Berger realçou o relacionamento com Ayrton Senna. O austríaco disse que “eram rivais muito duros na pista, mas ao mesmo tempo muito amigos fora”.


“MAGA DA ELECTRÓNICA”
Primeira mulher a receber troféu na F1


Após a vitória de Sebastian Vettel no Grande Prémio do Bahrein, Gill Jones subiu ao pódio para receber o troféu pela Red Bull. O jornal italiano “La Stampa” referiu ontem que a engenheira, considerada a “maga da electrónica” da equipa austríaca, fez história ao tornar-se na primeira mulher representante de uma equipa a subir ao pódio da Fórmula 1.

Na Red Bull, Jones é responsável por todos os sistemas electrónicos que comandam órgãos vitais dos carros como volante e acelerador, gestão de motor e da tracção, Sistema de Recuperação de Energia Cinética (KERS) e sensores ligados à telemetria. Nas palavras da funcionária, “as pessoas pensam que a electrónica é simplesmente montada num carro e que o seu funcionamento seja garantido, mas é difícil imaginar quanto trabalho está por detrás disso”.

Graduada em engenharia electrónica, Gill Jones começou na F1 na Jaguar e depois trabalhou também na Toyota e na Honda. A estreia pela Red Bull ocorreu no GP da China de 2005, como responsável pelo carro do austríaco Christian Klien.

Em 2009, após a chegada de Vettel à equipa, a Red Bull começou um ciclo vitorioso que culminou com a conquista dos últimos três Mundiais de Pilotos e de Construtores. A electrónica tem importância nos títulos, sendo que o chefe da equipa, Christian Horner, classifica o trabalho de Jones como “extraordinário”. Para ele, “foi uma honra levá-la a subir ao pódio” no Bahrein.