Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Serena pensa abandonar a temporada

24 de Setembro, 2016

Americana perdeu o posto de número 1 que ocupava desde 2013 e conquistou só um Grand Slam

Fotografia: AFP

A americana Serena Williams não está na a sua melhor temporada, no circuito da WTA. A tenista perdeu o posto de número 1 do mundo, que ocupava desde 2013, conquistou apenas um Grand Slam: Wimbledon. Assim, a tenista viu a alemã Angelique Kerber assumir a ponta do ranking.

Em entrevista ao canal CNN, Serena admitiu não estar fisicamente bem, e mostrou-se cansada de actuar com dores. “Não aguento mais jogar doente, perder jogos que não perdia em condições normais”, lamentou a atleta.

Williams também afirmou que pensa na possibilidade de não voltar às quadras em 2016, para uma melhor recuperação, com vista à próxima temporada. “Preciso de ter certeza de que estou bem para jogar, assim subo  de nível”, declarou.

Patrick Mouratoglou, treinador da número 2 do mundo, também falou sobre o fim de ano da americana. “É uma temporada ruim, não podemos negar. Agora, a realidade é melhorar para 2017”, enfatizou.

Em 2016, Serena jogou poucos torneios, focou-se nas competições mais importantes. Apesar de ter estado neste ano abaixo da média, alcançou três finais de Grand Slam, é a campeã em Wimbledon. Na Austrália, perdeu para Kerber e em França, para a espanhola Garbine Muguruza, actual número 3 do mundo.

Recorde-se que a americana perdeu a meia-final do Open dos Estados Unidos, diante de Karolina Pliskova. Foram 186 semanas, consecutivas, em que o nome do primeiro lugar do ranking na WTA sempre foi o mesmo: Serena Williams. Porém, a partir da última segunda-feira, o posto foi herdado pela alemã Angelique Kerber.

Assim, Serena repete o resultado de 2015, quando também foi surpreendida na meia-final, na ocasião pela italiana Roberta Vinci. Ainda assim, Serena iguala o recorde de Steffi Graf, com 186 semanas seguidas no topo do ranking, mas não bate o feito da alemã. Se tivesse sido campeã, a americana garantia 187 semanas na liderança.

No seu último jogo, para quem costuma ver Serena Williams jogar e não conhece muito bem Pliskova, pode imaginar uma certa inversão de papéis no primeiro set. Era a checa quem comandava as acções, e disparava excelentes saques contra a americana, e mostrava muita agressividade sempre a encurtar os pontos, e não dar chances de trocas com a número 1 do mundo.

Aliás, a prova disso foram os números de aces (4 a 2) e winners (10 a 5) em favor de Pliskova. Assim, ela não deu chances com o seu serviço, e ainda aproveitou-se do baixo aproveitamento de Serena no segundo, para conseguir duas quebras, no terceiro e sé- timo serviço, e fechar em 6/2 em 28 minutos de jogo.