Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Sharapova em m forma

29 de Agosto, 2019

Fotografia: Dr

Porém, o fim parece cada vez mais próximo. Na estreia do Open dos Estados Unidos, a russa foi dominada por Serena Williams. Sem conseguir achar respostas para a potência da rival, levou duplo 6/1 em 59 minutos, caindo rapidamente no torneio.
Em que pese a histórica dificuldade contra a norte-americana, que lidera o confronto directo por 20 a 2, o que ficou claro, mais uma vez, é que Sharapova não disputa mais contra as principais tenistas da actualidade.
Desde que voltou da suspensão por doping, em 2017, Maria conseguiu  apenas um título no circuito, no WTA de Tianjin. A primeira temporada após o regresso foi a melhor, o que deu certa esperança aos fãs. Porém, a condição física também começou a deixar Sharapova na mão.
Em 2018, com excepção de uma boa temporada de saibro, na qual fez meias-finais em Roma e \"quartos\" em Roland Garros. O ano não foi dos melhores e, para piorar, ela encerrou a temporada após o Open dos Estados Unidos, ainda em curso, por causa de questões físicas. Neste ano, a situação não melhorou.
Na actual temporada, a ex-número 1 do mundo tem apenas 15 partidas disputadas. Recorrentes problemas no ombro, fizeram com que ela ficasse fora de acção entre Janeiro e Junho. Na volta, disputou cinco eventos, mas ao todo ganhou apenas dois jogos.
A má campanha no Open dos Estados Unidos fará com que ela perca 230 pontos, já que defendia os oitavos de final. Com isso, Sharapova vai deixar o top 130 da WTA, o que significa depender de convites para jogar os principais torneios do circuito.
Todos esses factores fazem crer que, aos 32 anos, Maria não conseguirá mais repetir as actuações de antigamente. Pode até fazer boas campanhas em alguns lampejos, mas os problemas físicos e a incapacidade de competir entre as melhores machucam o mental de uma tenista acostumada aos grandes jogos e aos títulos.