Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Sharapova espera superar problemas

11 de Março, 2016

O historial médico da atleta é apresentado à ITF e vai comprovar que o tratamento era necessário e recomendado pelo médico

Fotografia: AFP

A russa Maria Sharapova garantiu ontem que está determinada a voltar a jogar ténis, depois de ter sido suspensa preventivamente devido a um controlo anti-doping positivo no Open da Austrália, em Janeiro.

“Estou determinada a voltar a jogar ténis, espero ter a hipótese de o voltar a fazer”, escreveu a antiga número um mundial na sua página oficial no Facebook.

Dizendo que “gostava de não ter de viver” esta situação, a russa mostrou-se confiante de que vai ultrapassar esta fase, numa mensagem em que agradeceu as mensagens de apoio que recebeu.

A tenista, de 28 anos, revelou na segunda-feira que teve um controlo positivo por meldonium, uma substância inserida dentro das “Hormonas e moduladores metabólicos” e que passou a fazer parte da lista de substâncias proibidas desde 01 de Janeiro, mas desculpou-se assumindo que não tinha visto a lista actualizada enviada pela Agência Mundial Anti-dopagem (AMA).

A russa alegou que tomava a substância desde 2006 para combater a predisposição genética para a diabetes, a falta de ferro, a deficiência imunológica e frequências cardíacas irregulares.

Advogado confiante
na atenuação do castigo

O advogado de Maria Sharapova mostrou-se confiante de que vai conseguir atenuar o castigo da tenista russa, que deu positivo por meldonium num controlo realizado durante o Open da Austrália.

“Não há qualquer evidência de que isto foi intencional por parte da Maria, o que imediatamente reduz o castigo para um máximo de dois anos.
Acredito que há factores atenuantes substanciais para pedir uma redução para uma pena inferior a dois anos”, defendeu John J. Haggerty ao Daily Telegraph.

O advogado da vencedora de cinco torneios do ‘Grand Slam’ considerou que o diagnóstico e recomendação terapêutica do médico de Sharapova foram “consistentes e medicamente necessários”. Uma das estratégias do advogado da russa passa agora por pedir um Certificado de Uso Terapêutico (TUE), que lhe permita usar a substância legalmente.

“O historial médico da Maria, que será apresentado à Federação Internacional de Ténis (ITF), vai comprovar que o tratamento era necessário e recomendado pelo médico. E a dose que tomava era substancialmente inferior à dosagem atribuída aos efeitos de melhoramento desportivo do mildronate”, acrescentou Haggerty.


Nadal nega recurso a substâncias proibidas


O tenista espanhol Rafael Nadal, quinto do ‘ranking’ mundial, disse na quarta-feira que a russa Maria Sharapova, que acusou doping no Open da Austrália, “deve ser punida” e negou recorrer a substâncias ilícitas.

Em Indian Wells, nos Estados Unidos, onde disputa o primeiro Masters 1000 da temporada, o antigo líder da hierarquia mundial negou os frequentes rumores de que tem recuperado dos problemas físicos que o afectam nos últimos anos com a ajuda de fármacos proibidos.

“Nunca tive a tentação de fazer algo ilegal. Estou muito distante da temática do doping. Sou um atleta ‘limpo’.

Ao longo da minha carreira, sempre trabalhei de forma muito intensa para recuperar das lesões. Nunca tomei nada ilegal para voltar aos ‘courts’ mais rapidamente”, assegurou o espanhol. O detentor de 14 títulos do ‘Grand Slam’, de 29 anos, admitiu já ter ouvido vários rumores sobre o seu recurso a substâncias dopantes, manifestando-se “saturado” dessas suspeitas.

 “Sim, ouvi já ouvi algumas coisas sobre mim e estou um pouco saturado disso. Acredito e defendo o desporto, os valores do desporto e no exemplo que dá à sociedade. Se fizesse algo de ilegal, estaria a mentir a mim próprio, não aos meus adversários”, frisou o espanhol.

BREVE
Mais um atleta
russo apanhado
em exame antidoping


Na manhã de ontem, quinta-feira, mais um atleta russo foi flagrado no exame antidoping pelo uso do Meldoniun, substância que também tirou a tenista Maria Sharapova e mais cinco atletas do país, incluindo o destaque do voleibol, Alexandr Markin, e a campeã olímpica de patinagem no gelo, Ekaterina Bobrova. Dessa vez o biatleta Eduadr Latipov, campeão europeu na modalidade, foi testado positivo para a substância, que foi tornada proibida desde o dia 1 de Janeiro deste ano.