Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Silverstone com acesa disputa no domingo

Altino Vieira Dias - 08 de Julho, 2019

Lder do campeonato mundial corre em casa e espera regressar ao podio

Fotografia: AFP

O piloto Max Verstappen é o talento mais empolgado da Fórmula 1. O holandês está a desfrutar do melhor começo de época. A vitória em Spielberg, França, foi o ponto mais alto dos resultados.  Com a Honda a reduzir a diferença em relação às rivais e Verstappen a superar o alemão Sebastian Vettel na classificação.
A Áustria foi a corrida caseira da Red Bull e de Verstappen. O piloto deu um “show de rodas”, perante o seu “exército laranja” de fãs, correu como “nunca”, deu uma aula magna de ultrapassagens aos pilotos Sebastian Vettel, Valtteri Bottas (finlandês) e Charles Leclerc (monegasco).
Com a vitória, praticamente, nas mãos, a três voltas do fim, sentiu a fúria de vulcão que na “chicane” fez uma ultrapassagem demolidora, que o atirou para fora da pista e só estacionou o seu monolugar no parque fechado, com a vitória assegurada, com algumas emocionantes memórias do ano passado em que o holandês também venceu a corrida.
A Mercedes estava a dominar tudo. Oito corridas,  oito vitórias,  agora, as “Flechas de Prata” e o “Cavalinho Rampante” (Ferrari) têm motivos de sobra para  preocupação com a performance com que os “Touros Vermelhos”(Red Bull) apareceram na Áustria, mais ainda a Ferrari, pois, Verstappen “arrancou” Vettel do terceiro lugar da classificação e “atirou-o” para quarto.
Os fãs dos “touros vermelhos” esperam que em Siverstone, Inglaterra, a equipa apareça com um pacote competitivo como o da Áustria, pois, o “exército laranja” (fãs de Verstappen) e amantes dos “touros vermelhos” estão desesperados em assistir a corrida (em Inglaterra) para saber se este vai ser o ponto de virada no campeonato e o início da era demolidora “Verstappoloucura”.
A Mercedes manteve-se invencível, até à oitava corrida, faltava uma vitória para igualar o recorde de sempre, detido pela  McLaren,  no ano de 1988, com a sua dupla de pilotos demolidora composta pelo francês Alain Prost “Professor” e o brasileiro Ayrton Senna ”Rei do Mónaco”.
Max Verstappen estragou a festa da Mercedes, em Spielberg, mas não nos podemos esquecer que a Mercedes tem uma implacável dupla de pilotos, composta pelo inglês Lewis Hamilton e o finlandês Valtteri Bottas.
O último, está a impressionar o primeiro e os amantes da Fórmula 1, mais intensamente, após um azarado e desastroso 2018. Em 2019, o finlandês precisa de resultados mais sólidos, para bater o inglês, pois,  Hamilton tornou-se um autêntico caça recordes. Os sete títulos e as 91 vitórias do alemão Michael Schumacher são a maior referência de todos os tempos.
Hamilton, com o domínio que a Mercedes apresenta na era híbrida, acredita ser possível chegar aos números do todo poderoso Michael Schumacher, mas uma coisa é estar próximo e outra, é chegar. Bottas sabe que tem de voltar a erguer-se rapidamente, pois, já não  conquista uma vitória há cinco Grandes Prémios, quando Hamilton somou quatro e Verstappen um.
Portanto, mal podemos esperar por Silverstone. Não nos podemos esquecer de que o líder do campeonato, vai correr em casa e não só é o piloto no activo com mais vitórias, também,  faz parte do trio da  história com mais vitórias no Grande Prémio da Inglaterra (com cinco, cada),  encabeçado pelo escocês Jim Clark, o francês Alain Prost.
 Conseguirão Valtteri, Max, Charles e Sebastian bater Lewis em casa? O inglês é um especialista em vitórias em Silverstone, mas não é imbatível, e não foi por acaso que Sebastian foi o último vencedor do GP da Inglaterra. Então, até lá, vamos aguardar o apagar das luzes e o acenar da bandeira xadrez, para ver quem vai sair de Silverstone no lugar mais alto do pódio.